Miranda prefere o São Paulo, mas portas do Coritiba devem ficar sempre abertas

Vinicius Cordeiro

miranda coritiba são paulo

Miranda foi anunciado como novo reforço do São Paulo. O zagueiro de 36 anos acertou contrato com o Tricolor por um ano e oito meses após recusar o retorno ao Coritiba neste momento. O time alviverde havia oficializado o fim das negociações nesta sexta-feira (5).

“Miranda se reuniu com dirigentes do clube e informou que optou neste momento pela continuidade de sua carreira em outro projeto, com maior calendário esportivo e que proporcione a disputa da Libertadores ainda nesta temporada”, afirmou a nota do Coxa.

O anúncio foi um balde de água fria nos coxa-brancas que encheram as redes sociais com a hashtag “Volta Miranda”. Alguns torcedores, na imbecilidade comum do futebol brasileiro, xingaram o jogador. Outros dizem que as portas se fecharam de vez.

Não é porque o Coxa foi preterido neste momento que Miranda não deve voltar nunca mais. Se o zagueiro tivesse preterido o Coxa por outro clube com o qual não teve relação, até entenderia uma dor na torcida.

Muitos se esquecem que ele também tem um passado vencedor no São Paulo. Antes de construir a carreira sólida na Europa, o defensor esteve nos três títulos nacionais sob o comando de Muricy Ramalho, atual coordenador de futebol do Tricolor. Tenho certeza que o ex-técnico foi importante na escolha.

Qualquer decisão de Miranda seria acertada. E não creio que a opção tenha sido por dinheiro, já que vai ganhar menos que Juanfran.

A principal diferença é que o São Paulo vai jogar o maior torneio das Américas enquanto o Coritiba vai viajar o Brasil inteiro na Série B. Viagens mais complicadas para jogar em estádios que não oferecem tanto conforto.

Coritiba e São Paulo têm diferentes bem grandes de projeto. É preciso que o torcedor enxergue que o Coxa, hoje, é time de Segunda Divisão.

MIRANDA SEMPRE DECLAROU AMOR PELO CORITIBA. ISSO NÃO MUDA COM ELE NO SÃO PAULO

Em 2019, na cobertura da Copa América, perguntei ao zagueiro sobre a vontade de retornar ao Coritiba. Na zona mista, Miranda foi ignorado por boa parte dos jornalistas e me atendeu gentilmente e reviveu a paixão pelo Coxa. Naquele dia, ele atuou por cerca de meia hora na vitória sobre a Argentina na semifinal realizada no Mineirão.

“Já imaginei [a volta] e inclusive falei para o Rafinha. Sou um coxa-branca apaixonado pelo clube e espero que, dois ou três anos, encerre a carreira no Coritiba. Quem sabe nós dois juntos”, respondeu Miranda.

Tenho absoluta certeza que a dupla estará junta para pendurar as chuteiras no Coritiba, assim como Alex. Depende mais deles, mas espero (e acredito) que as portas do Coxa precisam estar sempre abertas (seja em 2021, 2022 ou 2023). E ah, que o clube esteja, de preferência, na Série A.

Previous ArticleNext Article