Victor: O goleiro santo foi um dos mais brilhantes do século

Vinicius Cordeiro

victor atlético

Victor aposentou as luvas no último domingo, quando o Atlético derrotou a URT. O goleiro, que já se tornou gerente de futebol do Galo, foi um dos melhores da posição do futebol brasileiro nas duas últimas décadas.

Foi preciso alguns dias para conseguir dimensionar a ideia. Veja bem, o camisa 1 teve defeitos como qualquer outro jogador. Nunca foi tão habilidoso com a bola no pé, por exemplo. Na fase final da carreira, tomou alguns frangos pouco compatíveis com a qualidade que havia demonstrado.

Isso tudo, no entanto, torna-se pequeno ao analisar os grandes momentos. Foram ótimas atuações pelo Grêmio, com defesaças, que lhe renderam a confiança de Alexandre Kalil, ex-presidente do clube e atual prefeito de Belo Horizonte.

A grande cena, é claro, foi o pênalti defendido na cobrança de Riascos. O colombiano não chutou bem, mas a perna esticada de Victor impressiona.

Eu lhe pergunto: quantas vezes um goleiro, defendendo um time brasileiro em torneio internacional, gerou tamanha emoção? Lembro de apenas dois exemplos: Cássio, no Mundial de Clubes em 2012 pelo Corinthians, e São Marcos, na Copa do Mundo de 2002.

Enquanto todo mundo torceu contra os paulistas e todo mundo vibrou com a seleção brasileira, está o Atlético. O Galo de 2013 causou simpatia em muita gente graças ao estilo doido de jogar bola.

A defesa ficava escancarada e o ataque não cansava de criar chances. O repertório era vasto: movimentação dos quatro homens de frente, jogada ensaiada, lançamento da defesa e fortíssimas bolas aéreas com Leonardo Silva e Réver. Todos os jogos eram emocionantes.

Sobre o título mais icônico daquela fase do Galo, convenhamos: Ronaldinho fez uma das mais brilhantes atuações contra o Arsenal de Sarandí na fase de grupos, o Jô foi artilheiro e Léo Silva teve estrela na final. O time inteiro foi bem. Mas quem ganhou aquele título foi São Victor.

E o milagre não aconteceram só nas cobranças de pênalti. O goleiro foi tão iluminado que algo sobrenatural fez Ferreyra cair com o gol escancarado.

Com 424 jogos vestindo a camisa do Galo, só podemos agradecer e desejar o melhor a São Victor.

Voltamos em breve. Até já.

 

Previous ArticleNext Article