Vilson Ribeiro de Andrade oficializa candidatura nas eleições do Coritiba

Vilson Ribeiro de Andrade é candidato à presidência do Coritiba em 2020. A informação foi por ele próprio à coluna nesta..

Vinicius Cordeiro - 18 de setembro de 2020, 13:52

(Divulgação/Coritiba)
(Divulgação/Coritiba)

Vilson Ribeiro de Andrade é candidato à presidência do Coritiba em 2020. A informação foi por ele próprio à coluna nesta sexta-feira (18).

"Sim, sou candidato independente e que estou aceitando adesão de todas as alas. Não tenho vínculo com situação ou oposição, tenho vínculo com a minha consciência e com o clamor dos sócios que me procuraram para oficializar minha candidatura", disse.

A tendência é a corrida eleitoral contra Renato Follador Júnior, que encabeça a chapa Coritiba Ideal. Já os outros eventuais candidatos, José Carlos Vialle, João Buffara Lopes, conhecido por Jango, e Samir Namur, atual presidente, devem integrar a candidatura de Vilson.

Conforme informação da Eleições Coxa, Follador recusou um convite para ser vice-presidente da eventual chapa única. Contudo, Vilson afirma que ainda conversará com o principal concorrente.

"Estou tendo conversas com todos os grupos e falarei com ele também. Evidentemente aceito todas as adesões, mas claro que respeito a posição democrática de todas as pessoas. Minha busca sempre foi a união. Vamos ver se a gente consegue unir todos. Se não conseguir, paciência", completou.

Vilson foi o principal mandatário alviverde entre 2009 e 2014. O período foi marcado pelos melhores desempenhos da equipe nesta década: o Coxa foi vice-campeão da Copa do Brasil em 2011 e 2012.

INDEFINIÇÃO NA DATA DAS ELEIÇÕES

Ainda não existe uma data definida para a eleição do Coritiba em 2020. O presidente do Conselho Deliberativo, Marcelo Licheski, marcou uma assembleia geral dos sócios para decidir se o pleito será adiado ao fim do Brasileirão. Por causa da pandemia de covid-19, o calendário do futebol brasileiro foi prolongado até fevereiro de 2021.

A data pré-agendada da eleição é no dia 12 de dezembro, entre a 24ª e 25ª rodada da Série A. Entretanto, um grupo de conselheiros solicitou o adiamento por considerar que a disputa eleitoral durante o torneio nacional pode resultar em "danos irreversíveis" ao Coritiba.