Covid: 989 pessoas aguardam por leitos no Paraná; 519 precisam de UTI

Vinicius Cordeiro

leitos covid uti paraná

989 pessoas com suspeita ou confirmação de covid-19 estão esperando para serem internadas no Paraná. Segundo a Sesa (Secretaria de Estado da Saúde), são 519 pacientes com casos graves que necessitam de UTIs (unidades de terapia intensiva) enquanto outras 470 pessoas esperam por leitos de enfermaria.

Os dados da pasta apontam que 98% das UTIs  do Paraná estão ocupadas. Dos 1.480 leitos existentes, restam apenas 39 UTIs disponíveis. As regiões Oeste, de Foz do Iguaçu, e Leste, que abrange Curitiba, têm os piores índices com 99% e 98% de ocupação, respectivamente. A região Norte tem 97% e a Nordeste está com 95%.

Vale ressaltar que o governo estadual abriu 698 leitos nos últimos 14 dias, sendo 213 UTIs e 485 enfermarias. com gasto mensal avaliado em R$ 14,4 milhões. A administração do governador Ratinho Junior (PSD) ressalta que construiu uma rede 125% maior do que a já existia no Paraná antes da pandemia.

No entanto, nem mesmo os altos investimentos feitos pelo governo parecem ser o bastante para conter o avanço da covid-19. Conforme levantamento do jornal O Globo na última sexta-feira (5), o Paraná é o estado com maior fila de espera por leitos do Brasil. Até então eram 336 pessoas aguardando por uma unidade de terapia intensiva. Ou seja, houve crescimento cerca de 50% em dois dias.

Confira o número de pessoas à espera de leitos (UTI e enfermaria) por região do Paraná:

  • Curitiba e Região Metropolitana: 327 pessoas na fila – 153 UTI e 174 enfermaria;
  • Leste: 222 pessoas – 141 UTI e 81 enfermaria;
  • Oeste: 234 pessoas – 145 UTI e 89 enfermaria;
  • Norte: 58 pessoas – 37 UTI e 21 enfermaria;
  • Noroeste: 148 pessoas – 43 UTI e 105 enfermaria;

Conforme o boletim da Sesa deste domingo, são 720.971 infectados e 12.486 óbitos em decorrência da covid-19 no estado.

COM COVID EM ALTA, RATINHO ESTENDE LOCKDOWN E DETERMINA FLEXIBILIZAÇÃO NO PARANÁ

Assim como aconteceu nos outros estados da região Sul, o Paraná impôs medidas duras para evitar o colapso total do sistema de Saúde.

O governador Ratinho Junior (PSD) determinou lockdown, ou seja, fechamento de todas as atividades não essenciais, por nove dias. Além disso, também ampliou o toque de recolher das 20h às 5h, período no qual é proibido a venda e o consumo de bebidas alcoólicas em espaços públicos.

A expectativa do governo era de que o índice de isolamento social chegasse a 50%. O que se constatou, no entanto, foi que a taxa ficou em torno de 35%.

Sem o resultado esperado, mas com pressão dos setores econômicos, Ratinho optou por prorrogar as medidas restritivas até às 5h da manhã da próxima quarta-feira (1o). A partir de então, estão liberadas as reaberturas de academias, comércio, shoppings e restaurantes, além da volta às aulas presenciais. As medidas foram anunciadas na última sexta.

Vale ressaltar que o decreto estadual vale como uma orientação às prefeituras, que têm autonomia para diversificar as regras municipais. Veja quais as normas da flexibilização do governo do Paraná:

  • Comércio autorizado a abrir das 10h às 17h, de segunda a sexta-feira. Lojas fechadas aos sábados e domingos;
  • Academias para práticas esportivas individuais e/ou coletivas: das 6h às 20h, de segunda a sexta-feira, com limitação de 30% da ocupação;
  • Shoppings: das 11h às 20h, de segunda a sexta-feira, com limitação de 50% da ocupação;
  • Restaurantes, bares e lanchonetes podem funcionar das 10h às 22h com 50% de ocupação. Fora desse horário, fica restrito à modalidade delivery, que pode funcionar 24 horas. O consumo e venda de bebidas estão proibidos no local aos finais de semana e depois das 20h de segunda a sexta;
  • Demais atividades e serviços essenciais, como mercados, farmácias e clínicas médicas, sem qualquer limitação de horário durante todos os dias da semana;
  • Suspensão de estabelecimentos de entretenimento ou eventos culturais, como casas noturnas, museus, circos, teatros, cinemas, festas e feiras;
  • Igrejas com apenas 15% da capacidade;
  • Toque de recolher entre 20h e 5h;
  • Proibição da venda e consumo de bebidas entre 20h e 5h;
  • Aulas presenciais de forma híbrida – rede privada volta no dia 10 de março;

O retorno das atividades presenciais nas escolas da rede pública de ensino estão marcadas para outra segunda-feira (15/03).

Previous ArticleNext Article