Coronavírus
Compartilhar

Após chegada da ômicron, 18 mil paranaenses buscam primeira dose da vacina

Quase 18 mil paranaenses que ainda não haviam se vacinado contra a covid-19 procuraram a primeira dose do imunizante ent..

Redação - 18 de janeiro de 2022, 15:46

Américo Antonio/Sesa
Américo Antonio/Sesa

Quase 18 mil paranaenses que ainda não haviam se vacinado contra a covid-19 procuraram a primeira dose do imunizante entre os dias 1° e 14 de janeiro.

De acordo com a Sesa (Secretaria de Estado da Saúde), a chegada da variante Ômicron ao Brasil e o primeiro caso confirmado no Paraná alteraram a percepção de alguns cidadãos.

Todos os vacinados com a primeira dose nas primeiras semanas de 2022 poderia ter concluído a vacinação no ano passado. Parte deles, inclusive, já estaria elegível para receber a dose de reforço caso tivessem atendido ao chamado das autoridades de saúde.

Agora, com a circulação da variante ômicron, muito mais transmissível do que as mutações anteriormente em circulação, 17.975 pessoas mudaram de posição e escolheram iniciar a imunização contra a covid-19.

“Talvez tenha servido de susto, ou talvez não tenha servido de susto mas seja também parte desse convencimento”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, ao comentar sobre quem buscou apenas agora a primeira dose da vacina contra o coronavírus.

O último público a ser liberado em 2021 - adolescentes de 12 a 17 anos - começou a ser convocado em setembro.

“Precisamos de todos vacinados e eu faço um apelo novamente para que as pessoas procurem a vacina”, ressaltou o secretário.

A transmissão da variante ômicron do coronavírus se assemelha ao sarampo, e é de duas a três vezes mais transmissível do que a variante delta. A covid-19 resultante da ômicron costuma se manifestar de forma menos agressiva, sobretudo em vacinados.

“É importante frisar que os quadros têm sido leves, mas temos paranaenses que não tomaram nenhuma dose da vacina e ainda não retornaram para a dose de reforço. Se não houver a vacinação, casos mais graves vão acontecer", afirmou Beto Preto.

*Com informações da Sesa