Prefeitura de Curitiba avisa setores que vai decretar bandeira vermelha

Redação

bandeira vermelha decreto prefeitura de curitiba lockdown

A secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak, e o secretário de Governo Municipal, Luiz Fernando Jamur, estiveram em reunião com entidades de diversos setores da sociedade e avisaram que Curitiba voltará à Bandeira Vermelha. Isso significa que a cidade está em alerta máximo contra a doença. Contudo, a prefeitura de Curitiba ainda não divulgou o novo decreto e segue definindo as restrições até amanhã. As regras que estão em vigência hoje perdem a validade nesta sexta-feira.

O encontro teve cerca de 50 pessoas, com representantes da Câmara Municipal e Ministério Público do Paraná. Diretores de hospitais e associações médicas também participaram para apontar o cenário de caos.

Por outro lado, as entidades comerciais, como a ACP (Associação Comercial do Paraná), Abrabar (Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas) e Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), defenderam o funcionamento dos setores ao lado de de representantes de academias e mercados.

O presidente da Abrasel, Nelson Goulart, compartilhou nota em que relata que a Prefeitura de Curitiba justifica a medida pela falta de leitos, reposição de medicamentos e até risco da perda de reposição do oxigênio.

“Neste sentido a prefeitura deixou claro que adotará a bandeira vermelha a partir de amanhã. Pedimos, e fomos atendidos, que se faça então a comunicação dos detalhes ainda hoje. Expusemos que nosso setor de bares, restaurantes e eventos não aguentará um novo fechamento ou ampliação das restrições pois já somos o setor mais sacrificado. Pedimos equalização das restrições”, apontou ele.

A Abrasel já aponta que entrou com notícia-crime contra a prefeitura e elabora um abaixo-assinado que já conta com mais de 5 mil assinaturas.

“Tivemos um grande debate, que durou três horas. Estamos com índice considerado vermelho, mesmo padrão de março. Quer dizer que a bandeira vermelha vai ser anunciada. O momento é muito difícil e abordamos a questão do transporte coletivo, que vem sendo um dos maiores propagadores. Isso que a prefeitura também tem que atacar, não só ir no setor produtivo”, completa Fábio Aguayo.

ACP PODE IR À JUSTIÇA SE NOVO DECRETO DETERMINAR LOCKDOWN

Em nota divulgada à imprensa, a Associação Comercial do Paraná reforçou o posicionamento contra a determinação de lockdown em Curitiba.

“A medida, tomada várias vezes em situações de agravamento da transmissão do coronavírus, só profundou a crise no setor de varejo, levando à falência de negócios e ao fechamento de vagas de trabalho, sem resultados efetivos no combate à pandemia. Quem mais sofre são os pequenos”, explica.

Além disso, a ACP também aponta que o transporte coletivo é o que precisa de atenção da SMS (Secretaria Municipal da Saúde) neste momento. A entidade relembra que já sugeriu a suspensão total da circulação dos ônibus para que se controle a transmissão de covid-19.

“Já sugerimos que se limite a ocupação dos ônibus e que se transporte apenas passageiros sentados, mas os veículos continuam cheios, colocando em risco os usuários. Até mesmo a suspensão total do transporte coletivo seria uma medida menos danosa para a sociedade e para a economia do que um lockdown, pois se reservaria o direito de transporte aos trabalhadores dos setores imprescindíveis”, completa.

Por fim, a ACP ainda admite que pode entrar na Justiça para impedir o fechamento total do comércio em um novo lockdown.

BANDEIRA VERMELHA EM CURITIBA

O sistema de bandeiras estabelecido pela Prefeitura de Curitiba em junho de 2020 faz um cálculo com base em nove indicadores divididos em dois grupos: nível de propagação da Covid-19 e a capacidade de atendimento do sistema de Saúde.

A cor amarela significa situação de alerta, enquanto o laranja apresenta alerta médio. Por fim, a bandeira vermelha impõe restrições mais pesadas e determina o lockdown (fechamento de atividades não essenciais).

Conforme o boletim da Covid-19 em Curitiba desta quinta-feira, a cidade está com 9.943 casos ativos (pessoas capazes de transmitir a doença).

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="766718" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]