Comissão Europeia quer manter restrições a viagens do Brasil

Redação

Comissão Europeia quer que países mantenham restrições ao Brasil

Com medo de novo avanço da covid-19, a Comissão Europeia recomendou nesta terça-feira (13) aos países-membros da União Europeia (UE) que mantenham as restrições às viagens não essenciais de países que tenham apresentado novas variantes do SARS-Cov-2, sobetudo do Brasil. As informações foram divulgadas pela agência portuguesa Lusa.

“Em relação à gestão das fronteiras externas, no contexto da emergência das variantes, gostaria de recordar que a Comissão tem levado esta questão muito a sério, desde o início do ano e, tendo em conta o aconselhamento científico, […] propusemos medidas mais restritivas para viagens não essenciais para a UE”, disse o porta-voz da Comissão Europeia para os Assuntos Interiores, Adalbert Jahnz.

“A ideia é que as viagens só sejam permitidas por razões essenciais […] e, ainda assim, os viajantes devem ser submetidos a rastreios mais rigorosos quando regressam destas regiões, como quarentena obrigatória e testagem. Encorajamos fortemente os Estados-membros a aplicar estas medidas mais restritivas”, disse.

Segundo a agência, “a posição de Bruxelas surge numa altura em que a variante brasileira se continua a propagar rapidamente pelo mundo, nomeadamente no continente americano e na UE, e dias depois de uma outra possível estirpe do vírus ter sido descoberta na cidade brasileira de Belo Horizonte por cientistas locais, que detetaram a combinação de 18 mutações nunca anteriormente descritas.”

 

Em Portugal, voos do Brasil estão suspensos até dia 15

 

O governo português há havia adotado restrições antes e  suspendido os voos do Brasil até 15 de abril. Na ocasião, suspendeu também os voos do Reino Unido e estabeleceu o isolamento profilático de 14 dias também para quem chega por fronteira terrestre.

São permitidos apenas os voos de repatriamento. Mas os cidadãos que cheguem a Portugal provenientes do Brasil e Reino Unido, nos voos de repatriamento têm que apresentar o comprovante de teste negativo para a covid e ficar em isolamento por 14 dias.

 

Leia também: Covid-19: variante britânica não causa doença mais grave, diz estudo

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="757192" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]