Comportamento de risco é um problema a ser resolvido na pandemia, avalia Márcia Huçulak

Redação

márcia huçulak, secretária municipal da saúde, curitiba, prefeitura de curitiba, pandemia, comportamento de risco, grupo de risco, covid, covid-19, coronavírus

Mais de um ano após a confirmação dos primeiros casos de coronavírus em Curitiba, o comportamento de risco adotado por parte da população ainda é um problema a ser resolvido na pandemia, segundo a avaliação da secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak.

Em entrevista ao Paraná Portal, ela pondera que, com o conhecimento adquirido nos últimos meses, seria possível manter a covid-19 em níveis controlados, com a abertura parcial do comércio e dos serviços, minimizando riscos desnecessários.

Com a introduções de variantes do coronavírus, que atualmente predominam em Curitiba, a internação de jovens e adultos cresceu em níveis alarmantes, embora a mortalidade entre os idosos continue maior.

“Nesse momento da pandemia não tem [apenas] grupo de risco, mas comportamento de risco“, alerta Márcia Huçulak.

“Temos a maturidade de entender que a sociedade poderia estar aberta, com o comércio aberto e as demais atividades que a gente precisa, até porque elas geram emprego e renda. Elas podem funcionar desde que as pessoas compreendam as medidas de proteção”.

COVID-19: AGLOMERAÇÕES PRECISAM SER COMBATIDAS

Segundo a chefe da Secretaria Municipal da Saúde, as aglomerações precisam ser combatidas, assim como as festas clandestinas e qualquer atividade que exponha a população à contaminação. O mesmo vale para os serviços essenciais e autorizados pelos decretos.

“Não é porque tem acesso que você deva ir. Não é porque o mercado está cheio, que você tenha que entrar”, orienta Huçulak. “Procure um mercado mais vazio ou mude o horário que você costumava ir”, complementa.

De acordo com a secretária, o curitibano tem sido ativo no combate à pandemia do coronavírus, mas ideias de autoproteção e medidas preventivas ainda precisam ser melhor trabalhadas com a sociedade.

“De modo geral, o curitibano foi muito parceiro e entendeu a gravidade e a importância das restrições. É momento de pensar no coletivo, e não no individual”, avalia Márcia Huçulak.

“Se todos colaborarem, não precisamos de tantas restrições. É muito chato fazer decreto. Eu não vejo a hora de não precisar mais fazer decretos. De dizer: ‘acabou, Curitiba’. Mas, infelizmente, é a medida restritiva que tem que proteger a sociedade”, concluiu.

CURITIBA RETOMA 1ª DOSE DA VACINA: 64 E 63 ANOS

Neste final de semana, com a chegada de novas doses de vacina contra a covid-19, a Secretaria Municipal da Saúde retoma a aplicação da 1ª dose e vai imunizar dois novos grupos.

Idosos com 64 anos completos serão imunizados neste sábado (24) e domingo (25). Nos dois dias seguintes (segunda-feira, dia 26, e terça-feira, dia 27), será a vez dos idosos com 63 anos completos.

•    64 anos completos (1º de janeiro e 30 de junho): sábado, 24 de abril
•    64 anos completos (1º de julho e 31 de dezembro): domingo, 25 de abril
•    63 anos completos (1º de janeiro e 30 de junho): segunda-feira, 26 de abril
•    63 anos completos (1º de julho e 31 de dezembro): terça-feira, 27 de abril

As vacinas contra a covid-19, em Curitiba, são aplicadas em 18 pontos fixos e dois pontos drive-thru. Veja os endereços.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="759676" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]