Paraná ultrapassa marca de 1 milhão de pessoas vacinadas contra a Covid-19

Redação

Mulher que se passou por enfermeira e roubou vacinas contra Covid-19 é presa em Apucarana

Na manhã desta segunda-feira (3), o Paraná ultrapassou a marca de 1 milhão de pessoas vacinadas contra a Covid-19. Esse número representa os paranaenses com esquema vacinal completo, ou seja, que receberam as duas doses da vacina contra o novo coronavírus.

Até as 8h47 desta segunda, 1.001.901 pessoas tinham sido imunizadas com doses de vacinas da Coronavac, fabricada pelo Instituto Butantan/Sinovac, e da Covishield, da Universidade de Oxford/AstraZeneca/Fiocruz.

Até agora, o Paraná aplicou 2.767.937 doses dos imunizantes, sendo que 1.766.036 pessoas receberam a primeira. O total de paranaenses vacinados com as duas doses equivale a quase 10% da população e a 21% das pessoas que fazem parte dos  grupos prioritários previstos no Plano Estadual de Vacinação contra a Covid-19.

O Estado já distribuiu aos municípios 3.054.585 vacinas. Das 1.846.124 voltadas para a primeira dose, 95,8% já foram aplicadas. As vacinas aplicadas como segunda dose correspondem a 83% dos 1,2 milhão de imunizantes distribuídos pela Sesa (Secretaria de Estado da Saúde ) para essa etapa de vacinação.

VACINAÇÃO CONTRA A COVID-19 NO PARANÁ

Os municípios com o maior percentual de população vacinada com ambas nas doses, conforme o Ranking, são Nova Laranjeiras (19,94%), Diamante do Norte (19,43%), Tamarana (19,04%), São Jorge do Oeste (17,22%) e Rio Bom (15,99%).

Já o maior quantitativo aplicado até agora em números absolutos, somando a primeira e a segunda dose, são Curitiba (496.651), Londrina (175.865), Maringá (116.650) Cascavel (86.012) e Ponta Grossa (72.908).

Até o momento, receberam a imunização completa pessoas que pertencem aos grupos preferenciais definidos pelos planos nacional e estadual de vacinação:

  • idosos em Instituições de Longa Permanência (ILPI);
  • indígenas;
  • pessoas com deficiência em instituições inclusivas;
  • trabalhadores da saúde;
  • pessoas com mais de 60 anos ou que apresentam algum tipo de comorbidade;
  • quilombolas;
  • profissionais das Forças de Segurança;
  • Salvamento e Forças Armadas;

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="761702" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]