Covid: Paraná chega a 1.071 pessoas na fila de espera por leitos, número recorde da pandemia

Redação

paraná covid leitos uti

Paraná teve crescimento pelo 15º dia seguido no número de pessoas que esperam por leitos. Neste momento, 1.071 pessoas com confirmação ou suspeita de covid-19 aguardam por uma vaga em UTI (Unidade de Terapia Intensiva) ou enfermaria

Nunca houve uma fila tão grande para internação no Paraná, estado com maior espera por internação neste momento da pandemia.

A diferença é que o Estado voltou a ter mais pacientes aguardando por leitos clínicos. São 522 pessoas precisando de uma UTI e outras 552 na espera de enfermariasOntem eram 519 pacientes na espera de UTIs e 470 no aguardo de um leito enfermaria.

Confira o número de pessoas à espera de leitos (UTI e enfermaria) por região do Paraná:

  • Curitiba e Região Metropolitana: 321 pessoas na fila – 123 UTI e 198 enfermaria;
  • Leste: 288 pessoas – 151 UTI e 137 enfermaria;
  • Oeste: 247 pessoas – 134 UTI e 113 enfermaria;
  • Norte: 68 pessoas – 62 UTI e 6 enfermaria;
  • Noroeste: 147 pessoas – 49 UTI e 98 enfermaria;

Conforme o boletim da Sesa, são 722.990 casos confirmados e 12.505 mortes em decorrência da covid-19 no estado. Neste momento, 97% das UTIs estão ocupadas.

PARANÁ CORRE POR EQUIPAMENTOS E INSUMOS; SITUAÇÃO PIORA EM CURITIBA

Curitiba confirmou mais 2.114 casos de covid-19 referentes às confirmações de ontem (7) e hoje. Como de praxe, a prefeitura não divulga o balanço aos domingos.

Na capital paranaense, 96% dos leitos de UTI da rede pública estão ocupados. Das 427 vagas existentes, restam 19 livres. No entanto, seriam apenas quatro UTIs livres caso a prefeitura não ativasse 15 leitos no Hospital Santa Casa.

O principal dado que preocupa a SMS (Secretaria Municipal da Saúde) é que o número de casos ativos chegou a 10.747. O número significa a quantidade de pessoas capazes de transmitir o vírus. Em desabafo nas redes sociais, a secretária Márcia Huçulak lamentou a falta de respeito com as medidas de prevenção e afirmou que o Brasil virou um “covidário”.

Preocupado com a finitude de equipamentos e insumos, o governo estadual tenta formar uma rede com empresas e cooperativas dispostas a doar monitores e respiradores para ganhar velocidade nos processos. Além disso, a administração trabalha para abrir mais mil leitos de enfermaria espalhados por todo o Paraná nos próximos dias.

Previous ArticleNext Article