Bandeira vermelha e sem lockdown: Curitiba volta ao alerta máximo contra a Covid-19

Vinicius Cordeiro

lockdown curitiba decreto bandeira vermelha

A bandeira vermelha, que representa alerta máximo contra a Covid-19, foi retomada no novo decreto de Curitiba, divulgado no início da tarde desta sexta (28) e válido até o dia 9 de junho. Com isso, as restrições aumentam novamente para conter o avanço da Covid-19. Apesar de ser um decreto mais restritivo, a prefeitura não determinou lockdown, que significa fechamento total das atividades não essenciais. A maioria dos estabelecimentos pode funcionar com limitações, como atendimento via delivery e retirada no balcão – veja todas as normas no fim da matéria.

Conforme o último boletim do coronavírus, a taxa de ocupação das UTIs está em 106% (mais pacientes do que vagas) e restam nove leitos livres de enfermaria dos 726 existentes. Às 14h, a secretária Márcia Huçulak vai conceder uma entrevista coletiva à imprensa para explicar as decisões tomadas.

As entidades comerciais, com representantes de bares, restaurantes, academias e comércio, foram avisados da bandeira vermelha ontem. Eles estiveram reunidos com diretores de hospitais e de associações médicas. A secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak, e o secretário de Governo Municipal, Luiz Fernando Jamur, apresentaram os dados alarmantes da pandemia, similares aos registrados na alta de março.

O novo decreto é fruto do cenário caótico nas UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) e hospitais. Além de lotação máxima, os profissionais da Saúde estão trabalhando com falta de medicamentos usados na intubação das pessoas infectadas. Ao Paraná Portal, a Sesa (Secretaria de Estado da Saúde) confirmou a falta de sedativos e bloqueadores neuromusculares.

A expectativa era de que a bandeira vermelha fosse determinada na última terça-feira (25), mas a SMS (Secretaria Municipal da Saúde) descartou o lockdown em Curitiba naquele momento e estendeu o decreto que estava em vigor.

Curitiba estava sob a bandeira laranja desde o dia 5 de abril. Antes, a cidade esteve por três semanas na bandeira vermelha, que restringia o funcionamento dos estabelecimentos e a circulação de pessoas, devido à explosão dos casos de março. Neste momento, a curva voltou a crescer e o objetivo é não superar o patamar de dois meses atrás.

BANDEIRA VERMELHA É ANUNCIADA EM CURITIBA, MAS SEM LOCKDOWN

O sistema de bandeiras estabelecido pela Prefeitura de Curitiba em junho de 2020 faz um cálculo com base em nove indicadores divididos em dois grupos: nível de propagação da Covid-19 e a capacidade de atendimento do sistema de Saúde.

A cor amarela significa situação de alerta, enquanto o laranja apresenta alerta médio. Por fim, a bandeira vermelha impõe restrições mais pesadas e determina o lockdown (fechamento de atividades não essenciais).

No entanto, o novo decreto restringe alguns setores e libera outros. Uma das autorizações é para os jogos de futebol, o que permite que o Coritiba enfrente o Avaí no Couto Pereira neste sábado pela estreia da Série B.

Por fim, vale lembrar que essa é a segunda vez que a cidade entra na bandeira vermelha. A maior diferença é que, na primeira vez, uma espécie de lockdown flexibilizado foi decretado em Curitiba.

CONFIRA TUDO DO NOVO DECRETO DE CURITIBA

ATIVIDADES NÃO ESSENCIAS SUSPENSAS – O QUE NÃO PODE ACONTECER

  • Estabelecimentos destinados ao entretenimento ou a eventos culturais, tais como casas de shows, circos, teatros, cinemas, museus e atividades correlatas;
  • Estabelecimentos destinados a eventos sociais e atividades correlatas, tais como casas de festas, de eventos ou recepções, incluídas aquelas com serviços de buffet, bem como parques infantis e temáticos;
  • Estabelecimentos destinados a mostras comerciais, feiras de varejo, eventos técnicos, congressos, convenções, eventos esportivos com público externo, entre outros eventos de interesse profissional, técnico e/ou científico;
  • Bares, tabacarias, casas noturnas e atividades correlatas;
  • Reuniões com aglomeração de pessoas, incluídos os concursos e processos seletivos, eventos, comemorações, assembleias, confraternizações, encontros familiares ou corporativos, em espaços de uso público, localizados em bens públicos ou privados;
  • Espaços de prática de atividades esportivas individuais e coletivas, localizados em praças e demais bens públicos ou privados, estendida a vedação às academias, clubes sociais e desportivos, condomínios e áreas residenciais;
  • Circulação de pessoas, no período das 21h às 5 horas, em espaços e vias públicas, salvo em razão de atividades ou serviços essenciais e casos de urgência;
  • Consumo de bebidas alcoólicas em vias públicas.

ATIVIDADES NÃO ESSENCIAIS COM RESTRIÇÕES – COMO O COMÉRCIO, MERCADOS E OUTROS ESTABELECIMENTOS PRECISAM FUNCIONAR

O novo decreto de Curitiba também estabelece medidas mais restritivas a outros estabelecimentos.

  • Atividades comerciais de rua e prestação de serviços não essenciais: das 9 às 19 horas, de segunda a sábado, apenas nas modalidades delivery e drive thru, proibido o funcionamento aos domingos;
  • Galerias, centros comerciais e shopping centers: das 9 às 19 horas, de segunda a sábado, apenas na modalidade delivery, proibido o funcionamento aos domingos.
  • Restaurantes de rua: das 10 às 22 horas, em todos os dias da semana, apenas no atendimento nas modalidades delivery, drive thru e a retirada em balcão (take away), vedado o consumo no local;
  • Lanchonetes de rua:  das 6 às 22 horas, em todos os dias da semana, apenas no atendimento nas modalidades delivery, drive thru e a retirada em balcão (take away), vedado o consumo no local;
  • Panificadoras, padarias e confeitarias de rua: das 6 às 20 horas, de segunda a sábado, aos domingos das 7 às 18 horas, vedado, em todos os dias da semana, o consumo no local;
  • Lojas de conveniência em postos de combustíveis: das 6 às 20 horas, em todos os dias da semana, vedado o consumo no local;
  • Os serviços e atividades elencados neste inciso poderão funcionar das 7 às 20 horas, de segunda a sábado, sendo autorizado aos domingos apenas o atendimento na modalidade delivery até às 20 horas, vedado o consumo no local em todos os dias da semana:

– comércio varejista de hortifrutigranjeiros, quitandas, mercearias, sacolões, distribuidoras de bebidas, peixarias, açougues, feiras livres e comércio ambulante de rua de alimentos e bebidas;
– mercados, supermercados e hipermercados;
– comércio de produtos e alimentos para animais;

  • Lojas de material de construção: das 9 às 19 horas, em todos os dias da semana, apenas nos atendimentos nas modalidades delivery e drive thru;
  • Atividades de comercialização de flores e plantas: das 9 às 19 horas, em todos os dias da semana, apenas no atendimento na modalidade delivery;
  • Hotéis, resorts, pousadas e hostels: em todos os dias da semana;
  • Serviços de call center e telemarketing: a partir das 9 horas, e com até 50% (cinquenta por cento) da sua capacidade de operação.

Os locais devem funcionar com 50% da capacidade total.

Os serviços de comercialização de alimentos, localizados em shopping centers, galerias e centros comerciais estão autorizados a operar em todos os dias da semana, das 10 às 22 horas, por meio de entrega de produtos em domicílio (delivery), ficando vedada a retirada expressa sem desembarque (drive thru) e a retirada em balcão (take away).

Nos supermercados e hipermercados é permitida apenas a comercialização de produtos essenciais (alimentos, bebidas, higiene e limpeza para humanos e animais; material de construção; embalagens; lâmpadas; velas; baterias e pilhas), devendo os demais setores serem isolados.

O funcionamento dos parques e praças fica condicionado ao cumprimento de protocolo específico, conforme determinado pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente

Nos parques e praças, fica permitida a prática de atividades individuais ao ar livre, com uso de máscara, que não envolva contato físico entre as pessoas, observado o distanciamento social.

O funcionamento das feiras livres de alimentos e bebidas fica condicionado ao cumprimento de protocolo específico, conforme determinado pela Secretaria Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional – SMSAN, proibida a abertura aos domingos.

O funcionamento do comércio ambulante de rua de alimentos e bebidas fica condicionado ao cumprimento de protocolo específico, conforme determinado pela Secretaria Municipal do Urbanismo – SMU, proibida a abertura aos domingos.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="766653" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]