Coronavírus
Compartilhar

Em Curitiba, diretora da OMS reforça importância da vacinação pediátrica contra a covid-19

Mariângela pondera que a vacina pediátrica da Pfizer tem a indicação da Organização Mundial da Saúde e de diversas agências de controle de medicamentos, dentre elas a Anvisa.

Angelo Sfair - BandNews FM Curitiba - 11 de fevereiro de 2022, 15:33

Daniel Castellano/SMCS
Daniel Castellano/SMCS

A diretora-geral adjunta para medicamentos e produtos farmacêuticos da OMS, Mariângela Galvão Simão, afirma que não há nenhum argumento racional para duvidar da vacinação pediátrica contra o coronavírus.

Nesta quinta-feira (10), em Curitiba, onde se reuniu com gestores de saúde locais, ela reforçou que os estudos clínicos já demonstraram os dois fatores primordiais em relação ao imunizante utilizado no Brasil: segurança e eficácia.

Mariângela pondera que a vacina pediátrica da Pfizer tem a indicação da Organização Mundial da Saúde e de diversas agências de controle de medicamentos, dentre elas a Anvisa.

"Uma coisa era no começo do ano passado, quando não se conhecia o suficiente da vacina e os estudos clínicos não haviam sido feitos em crianças. Mas isso já foi resolvido", disse ela. "Se o governo está recomendando que a criança seja vacinada é porque esse imunizante é seguro e eficaz", completou.

A diretora da OMS afirma que é de conhecimento geral que as vacinas contra a covid-19 tiveram pesquisas e desenvolvimento acelerados. Isso aconteceu devido à emergência sanitária global que se tornou a covid-19, e pelos inéditos investimentos feitos por governos e entidades privadas.

Mariângela Galvão reforça que nenhuma etapa deixou de ser cumprida no processo de desenvolvimento dos imunizantes.

"Nenhum atalho foi tomado. Estabeleceram-se os mesmos processos: estudos pré-clínicos, fase 1, fase 2, fase 3. E depois que a vacina entra no mercado ainda tem a fase 4, que é o monitoramento de farmacovigilância", afirmou.

"Então, as vacinas autorizadas no Brasil têm, reconhecidamente, segurança e eficácia. E são vacinas reconhecidas da mesma forma pela OMS", ponderou a diretora-geral adjunta para medicamentos e produtos farmacêuticos da OMS.

Aos gestores de saúde locais, ela reforçou que a maior parte das hospitalizações por covid-19 no mundo, na atual onda causada pela variante ômicron, está relacionada a pessoas não vacinadas.

Por isso, Mariângela Galvão reforça que os imunizantes são altamente efetivos para evitar casos graves. A diretora da OMS ainda afirmou que a próxima geração de vacinas contra o coronavírus deve ser mais eficiente para diminuir a transmissibilidade do vírus.