MPPR ressalta importância da vacinação contra a Covid-19: “imunização coletiva é determinante”

Redação

MP investiga denúncia de bebidas batizadas em bares de Curitiba

Dez meses após o início da pandemia da Covid-19 no Brasil, o ano de 2021 tem como tema central a imunização contra o vírus. Desde o final do ano passado, as três esferas governamentais -federal, estadual e municipal- discutem estratégias para vacinar a população.

Por isso, o MPPR (Ministério Público do Paraná) veio a público destacar e apoiar a realização da imunização como forma de salvaguardar a vida e a saúde das pessoas. “A vacinação é uma das maiores conquistas da ciência em todos os tempos, sendo responsável por salvar e proteger a vida de milhões de pessoas em todo o mundo.”

Um consenso entre a maioria das regiões brasileiras é que a imunização deve ser iniciada pelos profissionais de saúde e grupos de maior risco de contágio. Porém, o país ainda não tem um plano de vacinação contra a Covid-19 totalmente fechado, isso acontece porque a Anvisa ainda está avaliando o uso emergencial de duas vacinas.

Em todo o mundo, ao menos 50 países já deram início ao uso de vacinas que foram submetidas aos estudos clínicos necessários. Nesse contexto, entretanto, algumas manifestações têm surgido de forma contrária a utilização da vacina.

Tais questionamentos, ainda que restritos a setores minoritários da sociedade, vêm em sentido contrário aos esforços das autoridades sanitárias para o esclarecimento da população acerca da importância e da necessidade da imunização do maior número possível de pessoas contra a Covid-19.

Diante dessa situação, o MPPR reforça que a vacinação de forma coletiva será determinante para que a doença seja contida, as mortes evitadas e, aos poucos, a vida retome o seu curso normal. Para o procurador-geral de Justiça, Gilberto Giacoia, é preciso pensar além da coluna regional.

“A vacina protege não apenas aquelas e aqueles que a recebem, mas alcança a comunidade como um todo, pois, quanto maior for o número de pessoas de um determinado grupo imunizadas, menor é o risco de qualquer uma delas ficar doente, como alerta a Organização Mundial da Saúde”. (Leia a mensagem completa aqui!)

O Ministério Público do Paraná, por meio da Procuradoria-Geral de Justiça, reitera ainda que manterá o acompanhamento das ações públicas e privadas para o enfrentamento à pandemia. Da mesma forma, realizará o monitoramento da execução das fases de vacinação da população paranaense.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="738877" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]