Pandemia deixa 753 crianças de até seis anos órfãs, no Paraná

Leonardo Gomes - BandNews FM Curitiba

pandemia deixa crianças órfãs

A pandemia da Covid-19 deixou pelo menos 753 crianças de até seis anos de idade órfãs de pai ou mãe, no Paraná. Este é o levantamento da Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil), entidade que representa os Cartórios de Registro Civil. O dado contabiliza as mortes registradas entre 16 de março de 2020 e 24 de setembro deste ano, no estado. Viver o luto na infância acontece de uma maneira diferente do que na vida adulta. A criança costuma sentir a perda progressivamente nas ações do dia a dia. A notícia é da BandNews FM Curitiba.

A psicóloga e professora da PUC-PR, Letícia Beiser, orienta que a morte tenha uma abordagem clara e sensível. Ela não recomenda o uso de metáforas como “seus pais foram viajar”.

“Dependendo da idade, a criança tem níveis diferentes de compreensão. Se a criança é muito pequena, você vai usar uma linguagem mais simples, mas sempre a verdade. E é uma verdade imutável. E nunca inventar uma história fantasiosa, porque isso prejudica a possibilidade de a criança elaborar e entender”, diz ela.

Quem dá a notícia para a criança pode enfrentar um desafio. A psicóloga aponta que não é preciso fingir força. Mostrar a dor pode ajudar na compreensão da criança.

 

12 mil crianças de até seis anos órfãs no Brasil

Em nível nacional, pelo menos 12 mil crianças de até seis anos de idade ficaram órfãs de um dos pais devido à Covid-19. O Paraná é o quarto estado com mais órfãos da pandemia, atrás de São Paulo (3 mil 836), Goiás (809) e Rio de Janeiro (774).

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="796492" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]