Paraná aguarda aval do Ministério da Saúde para iniciar vacinação de adolescentes, diz Beto Preto

Mirian Villa

Paraná aguarda aval do Ministério da Saúde para iniciar vacinação de adolescentes, diz Beto Preto

De acordo com Beto Preto, Secretário Estadual de Saúde, o Paraná aguarda aval do Ministério da Saúde para iniciar a vacinação de adolescentes contra a Covid-19.

“O Ministério tem que garantir que é o momento para que isso aconteça. Assim que for inserido de maneira efetiva, nós vamos proceder sim a imunização dos adolescentes”, disse em entrevista à CBN Curitiba.

A resposta vem após alguns estados brasileiros divulgarem que irão iniciar a vacinação de adolescentes assim que o processo de imunização de pessoas maiores de 18 anos for finalizado. É o caso de São Paulo e Roraima.

Em nota divulgada nesta semana, o Ministério da Saúde afirmou que a ampliação de vacinação para adolescentes a partir dos 12 anos está em discussão na Câmara Técnica Assessora em Imunização e Doenças Transmissíveis.

“Alguns municípios começam a falar sobre isso, de fazer antecipadamente, e eu acho que tudo é válido. Mas, nós, de maneira cautelosa, de maneira transparente, vamos tomar essa decisão no momento que o Ministério da Saúde, com todos os seus técnicos, com todo o PNI (Programa Nacional de Imunizações) em conjunto propor isso”, justificou Beto Preto.

O secretário lembrou que os governos têm autonomia e legitimidade para tomar decisões, mas que é importante ter um posicionamento oficial do Governo Federal. “A gente não pode ficar criando regras que eles não estejam em conjunto. Por isso, necessidade de seguir o ministério nesse momento.”

ANTECIPAÇÃO DA SEGUNDA DOSE NO PARANÁ

Sobre a antecipação da segunda, o secretário disse que é importante seguir o que está preconizado e que o Paraná vai seguir o que a ciência diz. Ele disse que na reunião no Fórum dos Governadores, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e a Sociedade Brasileira de Infectologia defendem a manutenção do prazo de 12 semanas.

” Nesse momento a ciência fala pra manter essa possibilidade de intervalo, entre a primeira e a segunda dose, de 12 semanas. Qualquer evidência científica, diferente disso, nós também seremos os primeiros a avançar e a dar informação correta. Neste momento, não há evidência dessa troca, dessa antecipação”, explicou.

Beto Preto também reforçou a importância da população paranaense retornar aos pontos de vacinação para receber a 2ª dose. Aproximadamente 10% dos moradores receberam a primeira dose, mas não voltaram para completar o esquema vacinal.

“Os municípios menores têm feito busca ativa, até porque conhecem as pessoas, os municípios maiores em mais dificuldade, né? Mas eles também estão na busca ativa desses cidadãos, eu acho que nós vamos conseguir ter mais vacinados até setembro. Tem muita gente que não quer tomar porque teve um efeito colateral e eu quero insistir com eles que vacinar é um ato de amor, de solidariedade, é o que pode salvar vidas nesse momento”, pediu o secretário.

CHEGADA DE VACINAS 

A expectativa é que ainda nesta semana o Paraná receba mais 200 mil doses de vacinas contra a Covid-19. A Capital, por exemplo, está com a vacinação suspensa pela falta de imunizantes. A descontinuação da vacinação da 1ª dose da população geral preocupa os moradores em relação ao calendário divulgado pelo Governo do Estado.

Em relação a isso, Beto Preto afirmou que o calendário (veja aqui) está mantido. “Nós vamos conseguir chegar no final do mês de setembro com 100% da população, acima de 18 anos, vacinada pelo menos com a primeira dose. Isso porque montamos o nosso calendário prevendo alguns momentos de intercorrências e também de um de um certo, vamos chamar assim, de um certo desabastecimento de vacinas”, explicou.

Em reunião, Queiroga disse ao Paraná que entre julho e agosto as chegadas de remessas de vacinas contra a Covid-19 deve se intensificar. Com isso, a meta de vacinar toda a população geral maior de idade até o mês de setembro vai ser concretizada.

“Talvez até já colocando para dentro da previsão algo que pode acontecer nas próximas semanas, que é a consideração da possibilidade de vacinar os jovens, os adolescentes que tem entre 12 e 17 anos, que ainda não estão no plano, mas que vem sendo tratado de maneira bem próxima de ser concretizada.”

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="775482" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]