Governo do Paraná determina toque de recolher para conter avanço do coronavírus

Vinicius Cordeiro

Expectativa é que o decreto seja publicado nesta quarta-feira (2). Restam detalhes a serem definidos.
Toque de recolher é prorrogado no Paraná até fim de fevereiro

O governo do Paraná confirmou nesta terça-feira (1) que vai determinar toque de recolher e a retomada do trabalho remoto aos servidores estaduais. As novas regras vão entrar em vigor por meio de decreto, que será publicado até amanhã (2). As medidas restritivas têm o objetivo de conter o avanço do coronavírus registrado em novembro.

“Por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SESA), e em alinhamento com os gestores municipais, serão produzidos dois novos instrumentos jurídicos para ajudar a conter a alta disseminação do vírus verificada nos últimos dias. Um deles refere-se à restrição de horário para circulação de pessoas no período noturno – ‘toque de recolher’. A outra recomendará a retomada das atividades de trabalho remoto de servidores estaduais”, informou o governo estadual em comunicado à imprensa.

A administração ainda pode incluir o fechamento de praças e parques, além das restrições das festas de fim de ano. Isso poderia acarretar em mudanças na grande programação elaborada pela prefeitura de Curitiba.

Os últimos detalhes serão definidos até o fim do dia já que o governador Ratinho Junior cumpriu agenda ao lado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), em Foz do Iguaçu, nesta manhã. Eles vistoriaram a construção Ponte da Integração, que será usada para desafogar o trânsito da Ponte da Amizade, principal fronteira entre Brasil e Paraguai.

Uma das pendências é sobre o horário do toque de recolher. Há dúvida se a medida deve se iniciar às 22h ou 23h e se irá até 5h ou 6h da manhã do dia seguinte.

O último boletim do coronavírus divulgado pela Sesa (Secretaria de Estado da Saúde), aponta que o Paraná acumula 6.099 óbitos e 277.424 diagnósticos positivos desde o início da pandemia, em março.

Apenas em novembro, foram 56.156 casos confirmados, número duas vezes maior em relação às confirmações de outubro.

Além disso, o desgaste do sistema de Saúde preocupa a atual administração. A capacidade de atendimento está chegando ao limite apesar da ativação de novos leitos e da suspensão das cirurgias eletivas, que entrou em vigor hoje. Conforme o painel da transparência da Sesa (Secretaria de Estado da Saúde), 83% das UTIs adultas exclusivas pra covid-19 estão ocupadas. São 1.063 leitos existentes e restam 185 livres.

EM JUNHO, GOVERNO DO PARANÁ PUBLICOU DECRETO DA QUARENTENA RESTRITIVA

Durante a pandemia, o governo estadual agiu de maneira mais incisiva uma única vez, no fim de junho, quando impôs o que chamou de “quarentena restritiva”. O decreto daquele mês suspendia os serviços não essenciais, o que na prática significou o fechamento de shoppings, comércio, academias, clubes, salões de beleza, entre outros. Restaurantes e bares só puderam atender nas modalidades de delivery, take away ou drive thru.

A quarentena restritiva foi implantada em oito regiões que tinham o crescimento do coronavírus mais alarmante e não foi prorrogada após os 14 dias de vigência, o que foi questionado pelo MPPR (Ministério Público do Paraná).

VEJA A EVOLUÇÃO DA COVID-19 

Previous ArticleNext Article