Plano Estadual de Vacinação contra covid é discutido no Paraná com foco na logística

Redação

sesa, secretaria de estado da saúde, plano estadual de vacinação, vacina, covid, covid-19, coronavírus, seringas, infraestrutura, logística

A Sesa (Secretaria de Estado da Saúde) realizou, nesta quinta-feira (17), uma reunião técnica para alinhar e organizar o Plano Estadual de Vacinação contra a Covid-19. O encontro acontece após a participação do Paraná no lançamento do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação do Ministério da Saúde.

De acordo com a secretaria estadual, o PNI (Programa Nacional de Imunização) será seguido como determina o Ministério da Saúde. Enquanto aguarda as definições do governo federal sobre as possíveis vacinas, o Estado organiza a rede para garantir que os grupos prioritários recebam as doses quando o imunizante for regulamentado e disponibilizado para a população.

“Estamos trabalhando há mais de 90 dias com a organização da logística para que o Paraná esteja preparado para quando a vacina for viabilizada. Todas as providências no sentido de alinhar a rede, para que essa vacina chegue de forma rápida e segura a todos os 399 municípios paranaenses estão sendo tomadas pelo Governo do Estado”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

PLANO ESTADUAL DE VACINAÇÃO PRIORIZARÁ AGILIDADE

Conforme a pasta, o Paraná tem uma estrutura robusta de armazenamento e distribuição do esquema de vacinação. O maior desafio, de acordo com o diretor-geral da Sesa, Nestor Werner Junior, será traçar diferentes estratégias para o manejo e a logística de armazenamento da vacina.

“O esquema de vacinação está muito bem consolidado no Estado, temos expertise no que diz respeito à distribuição das doses. O plano para a vacinação contra a Covid-19 é prioridade para nós, precisamos apurar agora possíveis fragilidades do sistema para que estejamos preparados para a distribuição efetiva e organizada”, disse.

Segundo ele, o que definirá o êxito ou o fracasso do Plano Estadual de Vacinação será a agilidade na distribuição das doses.

“A expectativa é que quando as vacinas chegarem no Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar), a Sesa consiga dispensar as doses da vacina em menos de um dia para todas as 22 Regionais de Saúde e, consequentemente, atender aos 399 municípios do Paraná com rapidez”.

O governo do Paraná já fez uma reserva para uma eventual compra da vacina de R$ 200 milhões, previstos na LOA 2021. Além disso, estruturou compras para insumos necessários no momento em que o imunizante for disponibilizado, como 11 milhões de seringas, câmara frias, freezers, caminhões refrigerados, entre outros.

Previous ArticleNext Article