Na Argentina, 99,3% das reações atribuídas à Sputnik V foram leves ou moderadas

Redação

sputnik v, sputnik, vacina, vaccine, coroanvírus, covid-19, instituto gamaleya, rdif, fundo russo de investimento direto, argentina, ministério da saúde da argentina, reações adversas

Desde 29 de dezembro, quando iniciou a campanha de vacinação contra a covid-19 na Argentina, com a Sputnik V, foram registrados apenas 1.088 eventos adversos suspostamente atribuídos ao imunizante. 99,3% das reações foram leves ou moderadas.

Os dados foram divulgados hoje (6) pelo SIISA (Sistema Integrado de Informações Sanitárias da Argetina), vinculado ao Ministério da Saúde. Ao todo, 39.599 doses já foram aplicadas no país vizinhos, em 22 dos 24 distritos.

39,7% dos eventos reportados correspondem a pessoas com febre, dor de cabeça e dores no corpo iniciadas de 6 a 8 horas depois da vacinação”, indica o informe do Ministério da Saúde.

Além disso 7,2% dos eventos se referem a uma reação leve no local de aplicação da Sputnik V. Outros 1,3% dos vacinados alegaram problemas gastrointestinais e atribuíram a causa ao imunizante.

Apenas 1,2% reportaram alergias leves; 0,6% apresentaram lipotimia – que se trata de um estado de confusão física e mental, uma sensação de desmaio sem necessariamente perda de consciência; e 0,2% reportaram sonolência.

O Ministério da Saúde da Argentina orienta que todos que receberam a Sputnik V e que sentiram eventos adversos procurem os centro de saúde públicos.

Em casos de febre, dores na cabeça ou no corpo – os sintomas mais comuns até agora -, as autoridades sanitárias recomenda o tratamento em casa com remédios para aliviar os sintomas, como paracetamol, repouso e isolamento.

*Com informações da Télam

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="737705" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]