Testes de farmácia não servem para medir imunidade contra covid-19, alerta especialista

Redação

covid, covid-19, coronavírus, vacina, anticorpos, teste, teste de farmácia

Entre as incontáveis fake news que circulam na internet sobre a covid-19, uma corrente tem disseminado mentiras sobre a proteção conferida pela CoronaVac e outras vacinas contra a o coronavírus.

Apresentando como “prova” resultados de testes de farmácia para identificar anticorpos contra a doença, a mensagem mentirosa afirma que os imunizantes não protegem o indivíduo porque não provocam a produção de anticorpos.

A corrente é enganosa. Segundo a virologista da Fiocruz Paraná, Cláudia Nunes Duarte dos Santos, exames sorológicos não são capazes de responder se uma pessoa está protegida, ou não, após receber doses de vacina contra a covid-19.

“Todas as vacinas aprovadas pela Anvisa funcionam”, reforça. “Todas passaram por um rigoroso processo com testes de validação, segurança e eficácia”.

+ Paraná registra mais 49 casos e cinco mortes pela variante delta da Covid-19

Cientistas alertam que a capacidade de resposta do sistema imunológico não pode ser “medida” pelos anticorpos. Portanto, a presença ou a ausência destes organismos são informações inúteis caso não estejam acompanhadas de outras análises.

Além disso, testes vendidos em farmácia geralmente avaliam a presença geral de anticorpos, não necessariamente aqueles protegem contra a covid-19.

“Não são indicados. Os testes de farmácia não são informativos. O fato de você ter ou não anticorpos não prova sua imunidade. Muita vezes, o teste de farmácia sequer tem uma precisão adequada”, pondera Cláudia Nunes Duarte dos Santos.

POPULAÇÃO PRECISA ADERIR À VACINA CONTRA A COVID-19

Segundo a virologista da Fiocruz Paraná, cabe aos cidadão atender ao chamado do poder público, completar a imunização com as duas doses e manter as medidas de prevenção à covid-19, como o uso correto da máscara e o distanciamento social.

Por fim, a cientista lembra que campanhas de vacinação contra doenças como a covid-19 são estratégias coletivas de imunização, e não individuais. “Temos que vacinar o maior número de pessoas no menor espaço de tempo possível”, conclui.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="787385" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]