Vacina contra a covid-19 em desenvolvimento pela UFPR recebe investimento de R$ 700 mil

Redação

vacina, vacina da ufpr, ufpr, universidade federal do paraná, covid, covid-19, coronavírus, seti, governo do paraná, fundo paraná, investimento, ciência, tecnologia

A vacina contra a covid-19 em desenvolvimento pela UFPR (Universidade Federal do Paraná) receberá um investimento de R$ 700 mil da UGF (Unidade Gestora do Fundo Paraná), vinculada à Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná.

A candidata a vacina ainda está em fase de testes pré-clínicos e mais testes são necessários para avançar o processo. Na atual fase dos estudos, o imunizante em desenvolvimento pela UFPR apresenta resultados melhores do que os reportados pela Universidade de Oxford em parceria com a farmacêutica AstraZeneca.

Os pesquisadores da UFPR usaram um polímero bacteriano chamado polidroxibutirato (PHB), que utiliza a proteína spike da Covid-19, responsável por ligar o coronavírus à células humanas e de outros mamíferos. As partículas do PHB são recobertas com a proteína do Sars-CoV-2, induzindo o organismo a uma forte resposta imune. Esse fato já foi demonstrado em camundongos.

“Além das duas vacinas novas anunciadas no início de março, o Brasil tem cerca de outras 10 em fase de pesquisa e a da UFPR é uma das que está em estágio mais avançado”, afirma o reitor da universidade, Ricardo Marcelo Fonseca.

Micropartículas de PHB com antígenos superficiais já foram utilizadas com sucesso para imunizar camundongos contra hepatite C e tuberculose. A vacina desenvolvida na universidade deve ser protocolada na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a fase clínica em seis meses, solicitando a autorização para os testes em voluntários. O custo da dose, incluindo materiais e insumos, é calculado a um custo aproximado de R$ 10,00.

O professor da UFPR Emanuel Maltempi, doutor em Bioquímica e coordenador da pesquisa, explica que o polímero, quando combinado com a proteína S (utilizada pelo vírus para infectar a célula humana), induz a produção de anticorpos pelas células de defesa. A preparação vacinal será testada na forma nasal.

“Vamos realizar os testes da vacina injetada e também com aplicação nasal, para facilitar os ensaios clínicos. Essa nova plataforma tecnológica que desenvolvemos será um legado não só relacionado ao combate à Covid-19, como no desenvolvimento de outras vacinas paranaenses”, ressalta.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="759357" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]