Coronavírus
Compartilhar

Vacina da UFPR contra a Covid-19 deve ser testada em humanos

Universidade Federal do Paraná fez solicitação à Anvisa nesta semana, com o objetivo de começar a 'fase clínica 1' de testes após o fim da 'fase pré-clínica'.

Redação - 09 de junho de 2022, 16:39

(Foto: Divulgação/UFPR)
(Foto: Divulgação/UFPR)

A vacina desenvolvida pela UFPR (Universidade Federal do Paraná) contra a Covid-19 deve começar a ser testada em humanos. A instituição fez solicitação à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) nesta semana, com o objetivo de começar a 'fase clínica 1' de testes após o fim da 'fase pré-clínica'.

O imunizante considerado 100% nacional começou a ser desenvolvido no ano de 2020. A tecnologia envolve a produção de partículas de um polímero biodegradável, revestidas com partes específicas da proteína Spike, responsável pela entrada do coronavírus nas células humanas. 

A vacina é composta pelo polímero e pela proteína sintética recombinante. As partículas têm na superfície a proteína S, de forma semelhante ao vírus. Com essa solução, não é necessário o uso do vírus inteiro para a produção da vacina.

No estágio atual, são concluídos os testes da fase pré-clínica. O pedido à Anvisa foi feito para que "os próximos passos possam ser adiantados, tanto da parte burocrática quanto da experimental”, segundo o professor Emanuel Maltempi de Souza, coordenador do estudo. Não há um prazo oficial de resposta pelo órgão regulador.

FASES DE TESTES DA VACINA CONTRA A COVID-19

A produção de uma nova vacina passa por diferentes fases de testes, de estudos pré-clínicos até a aplicação em seres humanos. No caso do imunizante da UFPR contra a Covid-19, a situação ainda está na fase pré-clínica. Depois dessa conclusão, são quatro fases de testes: fase 1, fase 2, fase 3 e fase 4.

  • Fase 1: primeiro estudo realizado em seres humanos, com o objetivo de demonstrar a segurança da vacina
  • Fase 2: tem por objetivo estabelecer a imunogenicidade
  • Fase 3: última fase de estudo antes da obtenção do registro sanitário, com o objetivo de demonstrar eficácia
  • Fase 4: vacina disponibilizada para a população