Crônica das Sextas
Compartilhar

Hoje bem cedo

Hoje acordei bem cedo para ver o dia acordar.Ainda escuro passei o café. Instantes depois, pela janela da cozinha, obser..

João Marcos - 27 de outubro de 2017, 00:15

Foto: João Marcos Malucelli
Foto: João Marcos Malucelli

Hoje acordei bem cedo para ver o dia acordar.

Ainda escuro passei o café. Instantes depois, pela janela da cozinha, observei os primeiros raios do sol comendo a noite e acordando o mar.

O mar e eu, testemunhas da morte da noite, e do nascimento do dia.

​O dia nasce como nasce uma ideia, uma criança, um animal ou uma semente que germina para fazer um ciclo. O ciclo da vida.

​Escuto o som do arrebentar das ondas, sinfonicamente cadenciadas pela batuta do criador que não desafinam jamais. Perfeito! Maravilhoso! No vai e vem das marés, os desenhos borbulhantes das águas espumosas, brancas, pintadas com tinta à base de sal.

​Contemplativamente, fitei este cenário com os olhos e com a alma.

​O sol agora marcando presença, imprime uma energia cósmica nas pessoas, em suas caminhadas na areia praiana. Transfere energia também aos ciclistas que pedalam no calçadão e aos surfistas madrugadores que buscam as emoções nas ondas...

​Terminando o café na varanda, diante desta maravilha, observo um grupo de trabalhadores da construção civil se preparando para mais um dia laboral.

​Pequenas aves brancas, talvez garças marinhas, disputam no voltar das ondas suas primeiras refeições. O sol já comeu a noite, eu já terminei o café. As garças marinhas também. No horizonte um navio... obra do homem! Navegando no mar... obra de Deus!

​Diante desta beleza, lembrei dos filhos e dos seus pares. Dos amigos e parentes também. Dos que aqui estão e dos que já se foram. Orei por tudo. Por todos. Para você que está lendo agora, também. É verdade.

​Enfim, está aí um novo dia. Que seja bem-vindo!

​Marquei comigo um novo encontro, até um outro amanhecer...

​Bom Dia!

Crônica das Sextas: Observatório praiano ; A profissão mais importante

Curta, compartilhe e siga-me no Facebook

Curta a página da editora Mérula