Crônica das Sextas
Compartilhar

“Quem planta tâmaras, não colhe tâmaras”!

Existe um ditado árabe que diz: “Quem planta tâmaras, não colhe tâmaras”! Isto porque antigamente, as tamareiras levavam..

João Marcos - 22 de junho de 2018, 05:00

Foto: Mérula
Foto: Mérula

Existe um ditado árabe que diz: “Quem planta tâmaras, não colhe tâmaras”! Isto porque antigamente, as tamareiras levavam de 80 a 100 anos para produzirem os primeiros frutos. Atualmente, com as técnicas de produção modernas, este tempo é bastante reduzido, porém o ditado é antigo e sábio.

Conta-se que certa vez, um senhor de idade avançada, plantava tâmaras no deserto quando um jovem o abordou perguntando:

- Mas por que o senhor perde tempo plantando o que não vai colher?

O senhor virou a cabeça e calmamente respondeu:

- Se todos pensassem como você, ninguém colheria tâmaras.

Ou seja, não importa se você vai colher, o que importa é o que você vai deixar... Cultive, construa e plante ações que não sejam apenas para você, mas que possam servir para todos e para o futuro.

Transcrevi este pequeno texto da internet com o objetivo de imprimir em nossas atitudes diárias a linda mensagem do seu conteúdo e dar uma ilustração cultural reflexiva à crônica!

Poucos sabem que a foto que ilustra este texto é uma “tamareira”plantada lá pelos anos de 1908 a 1910 ao lado da Igreja Matriz de Palmeira, pelo patriarca da Família Bacila, Sr. Amim Bacila, que trouxera a muda da árvore da cidade portuária de Port Said, localizada na costa do mar Mediterrâneo, no Egito!

A tamareira é uma variedade da família das palmeiras com algumas diferenças das palmeiras da nossa região. Possuem o tronco mais grosso e suas folhas são mais finas e pontiagudas, tanto é que os nômades que habitavam os desertos do Egito, usavam-nas como agulhas para tecerem suas vestes e seus tapetes.

Registro aqui meus agradecimentos ao amigo Kamal Curi que contou-me esta história, “plantada” há mais de 100 anos.

Crônicas recomendadas: A escolhida! ; Passo certo...

Curta, compartilhe e siga-me no Facebook

Curta a página da editora Mérula