Dia da Saúde e da Nutrição reforça importância de mudar hábitos

Unimed Curitiba – Conteúdo de Marca


Quem nunca ouviu falar que alimentar-se bem é um processo vital para ter saúde e qualidade de vida? Com as mudanças impostas pela pandemia da COVID-19, muitas pessoas se atrapalharam com a rotina de alimentação, sono e atividade física diante do isolamento social, do home office e das aulas online. No entanto, manter-se saudável e com boa imunidade são fatores importantes neste momento em que o sedentarismo, o excesso de peso e a obesidade são fatores de risco para os infectados pelo coronavírus e ainda podem causar diversos prejuízos à saúde. Por isso, mais do que nunca, é preciso aprender a se alimentar de forma saudável, entender qual alimento é mais adequado, qual a quantidade ideal para cada pessoa e ir mudando maus hábitos. Para reforçar ainda mais a importância de mantermos uma rotina de alimentação saudável, a Organização Mundial da Saúde (OMS) instituiu, em 2004, o Dia da Saúde e da Nutrição, que é comemorado anualmente no dia 31 de março e também está presente no calendário do Ministério da Saúde.

Na Unimed Curitiba, os beneficiários interessados mudar hábitos para viver mais e melhor podem participar de um programa de promoção à saúde chamado Viva Leve. O objetivo é fornecer orientações para que as pessoas possam cuidar dos hábitos nutricionais e inserir a prática de exercícios físicos na rotina. Os participantes são acompanhados por uma equipe multidisciplinar composta por profissionais da psicologia, nutrição e educação física especializados no tratamento de redução de peso e na promoção de modificações rotineiras. Foi o que aconteceu com Maria Claudia Veras, beneficiária da cooperativa que ficou em primeiro lugar no ranking perda de peso.

“Vi a divulgação do programa no aplicativo da Unimed. Como ao longo da vida já tinha tentado sem sucesso todas as dietas mirabolantes que indicavam (da lua, da sopa, do carboidrato, do tipo sanguíneo, etc), pensei que esse formato poderia dar resultado e me inscrevi. Apesar de não me incomodar com o sobrepeso, decidi me inscrever porque sei que a obesidade agrava diversos outros problemas de saúde, inclusive a COVID-19”, conta. Por isso, Maria Claudia decidiu participar do programa e desde então perdeu 8 kg, mas ela ressalta que o mais importante são os aprendizados, como a substituição de alimentos, identificação da fome/ansiedade, o efeito rebote de restrições severas, o fato de uma alimentação equilibrada trazer mais resultado que dieta e que extrapolar vez ou outra não invalida o processo. Ela também acredita que ajuda a ter consciência da influência das emoções nos comportamentos alimentares. “Agora acredito que a perda de peso seja o resultado de viver com mais equilíbrio. Desde o fim do programa, mesmo com as dificuldades do cenário atual, eu e meus filhos não recuperamos os quilos perdidos. Minha frustração é que não consegui seguir as aulas de exercício físico, mas como minha mamãe está participando do programa nesse semestre, acho que vou pegar uma carona no link”, comenta bem-humorada.

Mas a beneficiária conta que não foi tão simples assim. No início, ela revela que sentiu preguiça de participar. Na véspera, quase desistiu. No entanto, o trabalho em home office, filhos em casa e sobrecarga de atividades fizeram com que ela percebesse que, se não tomasse uma atitude, o ganho de peso seria inevitável e depois ficaria cada vez mais difícil reverter. “O bom é que logo no primeiro encontro eu curti a proposta. Gostei do grupo, todos bem-humorados, sem julgamentos e profissionais equilibrados, que não pregavam restrições severas. Com o tempo, abracei a proposta e incluí minha família na nova rotina. As mudanças foram simples: menos doces e gorduras (nada é proibido), mais consciência emocional e caminhadas em família, sempre com máscara. Vejo que a forma como o grupo foi conduzido permitiu que eu adotasse, sem perceber, muitas das orientações dos profissionais”, explica.

Para participar do programa Viva Leve, é necessário ser beneficiário da Unimed Curitiba, ter idade igual ou superior a 18 anos e ter IMC igual ou superior a 27,5 kg/m². Para homens, ter circunferência abdominal maior que 102 cm e, para mulheres, ter circunferência abdominal maior que 88 cm. É contraindicado para gestantes. Mais informações em (41) 3021-4735 e pse@unimedcuritiba.com.br.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="755102" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]