Grande Curitiba e Litoral
Compartilhar

Funcionários da limpeza de Curitiba podem ficar sem salários neste fim de ano

Cerca de quatro mil funcionários da limpeza pública, que trabalham como terceirizados para a Prefeitura de Curitiba, pod..

Mariana Ohde - 29 de novembro de 2016, 09:30

Cerca de quatro mil funcionários da limpeza pública, que trabalham como terceirizados para a Prefeitura de Curitiba, podem ficar sem receber os salários dos meses de novembro e dezembro, além do 13ª salário.

O problema, segundo as empresas de Asseio e Conservação, são dívidas da prefeitura que estão pendentes desde o mês de julho. De acordo com o Amélia Rodrigues Palhares, diretora do Siemaco, sindicato que representa a categoria, os trabalhadores foram informados pelos empresários que não têm recursos para efetuar o pagamento a partir do quinto dia útil do próximo mês. "As empresas que prestam o serviço para o município estão desde junho sem receber, essa é a informação que chegou para nós. As empresas estão sinalizando que não têm mais condições de bancar a situação. Que os trabalhadores, nos vencimentos de novembro e dezembro, não têm garantia dos salários e do 13º", explica.

Uma audiência entre representantes dos trabalhadores, prefeitura e empresários já está agendada para esta terça-feira (29). A diretora do sindicato disse não descarta a possibilidade de greve, caso não haja nenhum tipo de acordo durante a reunião. "Depende da posição do município em relação pagamento junto às empresas", afirma.

"Como que a gente fica? O trabalhador trabalhou, prestou serviço, e não sabe se vai receber", lamenta.

Sobre o impasse, a prefeitura de Curitiba informou que vai participar da reunião do Ministério Público do Trabalho para discutir o assunto e buscar uma solução. A audiência está marcada para às 14h30.

Paralisação em outubro

No dia 7 de outubro, os trabalhadores realizaram uma paralisação para reivindicar o pagamento do salário, que deveria ter sido feito no dia 6 – quinto dia útil do mês.