Grande Curitiba e Litoral
Compartilhar

Greca quer transferir feiras para locais cobertos

Com Metro CuritibaDepois de fechar cinco pontos do programa Nossa Feira a pedido da cooperativa que abastecia os locais ..

Mariana Ohde - 24 de janeiro de 2017, 09:23

Com Metro Curitiba

Depois de fechar cinco pontos do programa Nossa Feira a pedido da cooperativa que abastecia os locais por alegação de baixa demanda, o prefeito Rafael Greca (PMN) recebeu ontem os 395 feirantes da capital. Na lista de reivindicações dos permissionários estavam a maior divulgação das feiras, mais policiamento, regulamentação de estacionamento diferenciado nas imediações e melhorias na infraestrutura.

Durante o encontro, Greca disse querer mudar algumas feiras para dentro das Ruas de Cidadania. “Outro dia eu vi em Santa Felicidade a feira na chuva, coisa mais burra. A rua da cidadania estava vazia, coberta e iluminada, podendo ter banheiros, polícia e tudo. Vamos mudar pra dentro, por que não?”, sugeriu.

O prefeito ainda disse que seu sonho, para mais adiante, é cobrir todas as feiras, para não serem atrapalhadas nem pelo sol e nem pela chuva.

Feiras desativadas

Na última semana, o programa Nossa Feira, da Prefeitura de Curitiba perdeu cinco pontos: CIC-Caiuá, São Pedro, Bairro Alto, Tatuquara e Sítio Cercado. A nova gestão alega que os pontos cancelados não são sustentáveis.

Em um comentário no Facebook, o prefeito escreveu que a decisão foi da cooperativa. “A decisão não foi nossa. Foi da própria Cooperativa”. De acordo com o secretário municipal de Abastecimento e Agricultura, Luiz Dâmaso Gusi, já existia uma “demanda das cooperativas, por uma questão conjuntural econômica”. O conclusão seria da Cooperativa de Processamento Alimentar e Agricultura Solidária de São José dos Pinhais (Coopasol).

Os agricultores familiares continuarão sendo inseridos no mercado urbano por meio de políticas da Secretaria do Abastecimento, como por meio de fornecimento à merenda escolar, armazéns da família e sacolões.

O secretário afirma que as cooperativas queriam fechar mais pontos, mas que a gestão avaliou que era possível manter cindo desses pontos. “Se eles se organizarem melhor, estamos fazendo um estudo para saber quais foram os motivadores do insucesso dos cinco pontos que fecharam. Às vezes pode ser uma divulgação. O que nós observamos também é que o próprio mercado local, vendo o crescimento do Nossa Feira, se organizou e passou a ofertar produtos mais baratos. Então, a secretaria do Abastecimento cumpriu seu papel de levar acesso”.

“Num primeiro momento a gente só desativa cinco pontos e a gente vai continuar conversando com essas cooperativas de forma que a gente retome esses pontos ou retome em outros locais esses pontos. Mas nós não podemos nos furtar a uma coisa: tem que ter sustentabilidade”.

A Nossa Feira oferece frutas e verduras a preço fixo de R$ 2,29.