Grande Curitiba e Litoral
Compartilhar

Uber começa a operar com carros de luxo em Curitiba

O UberBlack começa a operar nesta sexta-feira (9) em Curitiba, a partir das 14h. A nova categoria de serviço oferece sed..

Mariana Ohde - 09 de dezembro de 2016, 08:55

O UberBlack começa a operar nesta sexta-feira (9) em Curitiba, a partir das 14h. A nova categoria de serviço oferece sedãs de luxo, que devem ter bancos de couro, ar-condicionado e quatro portas. Os carros, sempre de cores escuras, devem também ser novos e não são aceitos modelos populares.

A tarifa mínima do UberBlack é de R$ 4. Cada quilômetro rodado custa R$ 2,45 mais R$ 0,40 por minuto no carro. Os valores são o dobro dos cobrados no UberX, que já está em funcionamento na capital desde março deste ano. Os preços são relativos à tarifa mínima, pois a Uber trabalha com a tarifa dinâmica: os valores aumentam com a demanda. O UberBlack também vai aceitar cartão de crédito e dinheiro com formas de pagamento.

Além de Curitiba, o Uber Black já opera em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília e Porto Alegre. Para ter acesso ao serviço, será preciso atualizar o aplicativo, que está disponível no Google Play e Apple Store.

Regulamentação

Ainda não há legislação que regulamente a operação de aplicativos de caronas pagas como o Uber em Curitiba. Hoje, o Projeto de Lei 563/2016 está sendo discutido na Câmara Municipal e sua conclusão deve ficar para 2017. O projeto foi protocolado em maio. Há ainda uma multa, cujo projeto foi sancionado pelo prefeito Gustavo Fruet, de R$ 1,7 mil para motoristas que foram flagrados transportando pessoas e que não forem taxistas, porém, ela ainda não está sendo aplicada por falta de regulamentação - não se sabe como seria feita a fiscalização e cobrança. Também há projetos sobre o tema no Congresso Nacional, entre eles o PL 5587/2016, segundo o qual os motoristas dos aplicativos precisariam seguir regras parecidas com as impostas aos taxistas no Brasil.

Hoje, motoristas do Uber flagrados em atividade em Curitiba estão sujeitos a uma multa com base no Código de Trânsito, que pune quem estiver "efetuando transporte remunerado de pessoas ou bens, quando não for licenciado para esse fim, salvo casos de força maior ou com permissão da autoridade competente" como infração média passível de multa e retenção do veículo.