Operação prende 48 suspeitos em operação contra três quadrilhas no Paraná

Andreza Rossini


A Operação Égide, deflagrada nesta quarta-feira (21) pelas polícias Civil e Militar em Londrina e Cambé, no norte do Paraná, prendeu 48 pessoas suspeitas de envolvimento com três quadrilhas da região, que praticavam crimes de homicídio, tráfico de drogas, roubo de veículos e residências, além de corrupção de menores.

Entre os 48 alvos de mandados de prisão preventiva, 14 já estavam detidos no sistema penitenciário. Três adolescentes foram apreendidos.

Os policiais também cumpriram 45 mandados de busca e apreensão, que geraram duas prisões em flagrante. Foram apreendidos cerca de 2,5 quilos de maconha, 250 gramas de cocaína, R$ 4.200 em espécie, 1 revólver e 1 simulacro.

“Pessoas que estavam cometendo crimes e estão saindo de circulação”, afirmou o secretário de Segurança Pública, Julio Reis.

Participaram da operação 200 policiais civis e militares, agentes do sistema penitenciário de Londrina, o canil da Guarda Municipal e dois helicópteros.

Para o Coronel Prates da Polícia Militar, a ação conjunta com a polícia civil resulta na redução dos homicídios. “Temos redução na base de 80% nos últimos cinco meses, o processo se desenvolve de forma mais harmônica. Para combater o homicídio estamos tirando das ruas pessoas que cometem furto e roubo e consequentemente esses indicadores também caem. O crime está muito conectado a novidade é que a polícia também está integrada”, alegou.

Vítimas destes criminosos relataram à polícia que as quadrilhas eram extremamente violentas durante o roubo a residências. Fortemente armados eles amarravam as pessoas dentro das casas para realizar os crimes.

Os presos irão responder pelos crimes de tráfico de drogas e associação para o tráfico, roubo, organização criminosa e corrupção de menores e encaminhados para a sede da Delegacia de Polícia Civil de Cambé.

Investigação

Duas quadrilhas estavam em guerra disputando pontos de tráfico de drogas e, segundo as investigações, uma terceira quadrilha criminosa que também atuava na região foi identificada pelos policiais. O líder desta quadrilha, que está preso na cidade de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul, comandava as ações criminosas no Paraná.

“Percebeu-se que essa terceira quadrilha fornecia drogas para as outras duas que estavam sendo investigadas. Eram especializadas no tráfico de drogas e roubo à residência e veículos. Os carros eram usados como moeda de troca por drogas no Mato Grosso e Paraguai”, afirmou o delegado titular de Cambé, Roberto Fernandes de Lima. “Alguns líderes conseguiam fazer contato com seus gerentes em Cambé e Londrina, por telefone ou até mesmo por visitas. Todos os envolvidos no esquema foram presos na operação de hoje”, disse.

As investigações começaram em outubro de 2017 e, até a deflagração da operação, nove pessoas foram presas. Entre os detidos está uma advogada que estava com 4 quilos de maconha e 120 gramas de cocaína e um homem que tinha sete mandados de prisão e era foragido da Penitenciária de Londrina.

Um adolescente foi apreendido foi envolvimento nos crimes das quadrilhas.

Operação Égide

A força-tarefa foi batizada de “Égide”, que em grego significa “escudo”. A intenção é que se formasse um grande escudo por parte de policiais militares e civis para evitar a ação destes criminosos.

 

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="511530" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]