Líder da Oposição propõe discutir melhor privatização da Copel Telecom

Simone Giacometti


Nesta segunda-feira (22), o deputado estadual Tadeu Veneri (PT-PR), líder da oposição na Assembleia Legislativa do Paraná, propôs discutir a possível privatização da Copel Telecom, que vem sendo anunciada pelo governador Ratinho Júnior (PSD-PR).  Segundo ele, “essas privatizações propostas pelo governador tem tudo para ser um desastre”.

O deputado apresentou aos parlamentares, números retirados do balanço da empresa pública administrada pelo governo do Paraná apresentados ao Tribunal de Contas do Estado.  De acordo com ele, o presidente da Copel, Daniel Pimentel Slaviero, deve explicar aos paranaenses qual seria a vantagem de privatizar uma empresa que reduziu custos e é lucrativa.  Em março de 2019, a Copel informou que fechou os últimos três meses de 2018 com lucro líquido de R$390,8 milhões de reais. O número é três vezes maior do que o valor obtido em 2017, no mesmo período.

Tadeu Veneri questionou a necessidade de privatização, diante do bom rendimento da estatal, que também ostenta o título de melhor empresa de tecnologia do Brasil.  No resultado positivo acumulado, o aumento foi de quase 30% em relação ao ano anterior.  Atualmente, segundo Veneri, o quadro de funcionários é um dos mais enxutos do governo e se resume a 450 pessoas.   As terceirizações estariam entre os serviços responsáveis pelo encarecimento das operações.  “Olhando o balanço, percebemos um aumento substancial de gastos com terceiros. A Copel terceirizou a parte da instalação de equipamentos para os usuários finais, por meio de uma empresa chinesa”, fala o deputado. E ele disse que há outras terceirizações que precarizam e encarecem os custos.

O líder da oposição na casa, anunciou que vai convidar o presidente da Copel, para que explique o que justifica a venda de uma empresa lucrativa para uma gigante do setor de tecnologia. “Há alguns dados que devem entrar nessa conta. Os provedores regionais cresceram 33% entre 2015 e 2018.  A fibra deve-se tornar a principal tecnologia de banda larga em 2020 e só a Copel oferece essa possibilidade aos 399 municípios do Paraná.  O lucro caiu pela metade, mas o faturamento dobrou. Algo não está batendo nessa conta”, alerta ele.

“Não é possível entendermos que uma empresa que faz a interface com a Sanepar, que faz a interface com as outras secretarias, tenha que ser vendida. Não seria mais racional utilizar essa tecnologia dentro da própria máquina, nas delegacias, por exemplo?  Eu espero que o presidente possa aceitar nosso convite para explicar que ideia é essa”, quer saber o deputado.

O desejo de privatização da Copel Telecom  chegou a ser anunciado pelo governador Ratinho Júnior  durante a apresentação do balanço de 100 dias de governo.  Na ocasião, o Chefe da Casa Civil, Guto Silva, também estava presente. Na análise dele, a empresa deu lucro porque houve um investimento do governo anterior. “Se você tem uma empresa e começa a colocar recursos em cima, é claro que ela vai dar lucro. Mas atualmente nós precisamos analisar onde os recursos serão investidos”, diz ele.

“Não se cogita a venda da Copel, cuja vocação e finalidade é a distribuição de energia. O governo solicitou estudos sobre a viabilidade da venda da Copel Telecom.  A Copel tem que ter um olhar mais voltado ao estado e a Copel Telecom fez investimentos fora que exigem uma justificativa.  Nós temos sérios problemas de fornecimento de energia dentro do estado. O que justifica investir em telefonia, que não é o negócio dela, enquanto está faltando energia de qualidade para o produtor rural produzir?  Esse é o raciocínio”, explica Guto Silva sobre a visão do governador.

“Para que Copel Telecom fosse colocada em pé, chegasse onde está, ela dragou milhões de reais. Se a gente investisse esses recursos em distribuição,  não teríamos problemas de produção de energia. Então, é uma escolha de investimento, definir onde esses recursos serão aplicados”, finaliza ele sobre a possibilidade de privatização.

Porém, por se tratar de estatal, a decisão precisa passar pelas comissões da Assembleia Legislativa do Paraná e ser aprovada em plenário pelos deputados.

Sobre a Copel Telecom

Atualmente a estatal está em mais de 60 municípios do Paraná, oferecendo internet com alta qualidade, estabilidade e velocidade de conexão diferenciada, por utilizar rede de fibra óptica.  São mais de 30 mil km de cabeamento em todo estado.   Em 2018, a Copel foi eleita Empresa do Ano, no ranking das 100 maiores empresas de telecom do país e no ranking das operadoras de telefonias fixa e celular.

 

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="614178" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]