Secretaria de Saúde faz alerta para cuidados com aranhas e escorpiões

Redação


Com a chegada do calor, os acidentes com animais peçonhentos, como aranhas, escorpiões, serpentes, são mais comuns. Só no ano passado foram mais de de 18 mil casos registrados no Paraná, segundo a Sesa (Secretaria de Estado da Saúde). Diante disto, a Secretaria de Saúde faz alerta para que a população mantenha os ambientes limpos e organizados para evitar o aparecimento desses bichos.

Os animais peçonhentos, ou animais venenosos, são facilmente encontrados em locais como depósitos de resíduos, espaços com lixo e com muito entulho. Em casas e apartamentos eles se escondem em frestas, atrás de objetos de decoração como quadros, dentro de malas, sapatos e até em roupas.

Por isso, manter os ambientes livres de materiais desnecessários, organizar sobras de construção e retirar teias de aranhas são ações que auxiliam na prevenção destes visitantes. “A picada de um animal peçonhento pode ser bastante séria. Alguns, inclusive, podem se agravar e levar ao óbito. Pensar na prevenção significa organizar a sua residência”, afirma o secretário da Saúde, Beto Preto.

Ele lembra que a limpeza e organização, além de evitar aranhas, escorpiões e outros destes animais venenosos, também elimina focos do mosquito da dengue. “Ou seja, cuidando bem do entorno, se pode evitar doenças e picadas de animais”, reforça o secretário.

ESCONDERIJO EM LOCAIS QUENTES

O Ministério da Saúde alerta que animais peçonhentos gostam de ambientes quentes e úmidos e são encontrados em matas fechadas, trilhas e próximo a residências com lixo acumulado. Manter a higiene do local é evitar acúmulo de coisas é a melhor forma de prevenir acidentes.

Entre os 18 mil acidentes registrados em 2018 no Paraná, a maior frequência é de aranhas, com 10.185 ocorrências. Na sequência em número de acidentes aparece o escorpião, com 3318 registros. Abelhas, serpentes e lagartas somam cerca de 4 mil.

EM CASO DE ACIDENTES

No caso de picadas a pessoa deve procurar atendimento médico imediatamente. O paciente deve manter a calma, comunicar algum familiar, contar o que aconteceu, coletar ou ter o máximo de informações possíveis das características do animal e, se possível, fazer uma foto.

A Secretaria da Saúde alerta que a ida ao serviço médico deve ser imediata, mesmo que o paciente não apresente sintomas. O atendimento pode ser feito nas UPAs (Unidades de Pronto Atendimento).

Os telefones para contato sobre os animais são:
Curitiba – Centro de Controle de Envenenamentos – CCE – 0800 41 0148
Londrina – Centro de Controle de Intoxicações – CCI – (43) 3371-2244
Maringá – Centro de Controle de Intoxicações – CCI – (44) 2101-9127
Cascavel – Centro de Assistência em Toxicologia – CEATOX – 0800 645 1148
Curitiba – Divisão de Zoonoses e Intoxicações – (41) 3330-4470
Para saber aonde há aplicação de antivenenos, consulte a tabela com todos os locais do Paraná clicando AQUI

Previous ArticleNext Article