Indústria gráfica repensa o negócio

Pedro Ribeiro


 

Em busca de alternativas para driblarem a crise econômica e se adequarem à transformação pela qual o setor passa, cerca de 350 proprietários e gestores de gráficas do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul se reúnem no próximo dia 21 em Curitiba no III Seminário Sul Brasileiro da Indústria Gráfica. Será um dia inteiro de palestras e troca de conhecimento sobre temas como neuromarketing, impressão das coisas, e-commerce, millennials e tendências do setor, entre outros, com o objetivo de despertar a criatividade e a reflexão para as empresas agirem e melhorarem seus resultados.

O evento ocorre das 8h às 18h, no Campus da Indústria da Fiep (Auditório Caio Amaral), e é uma realização da Abigraf-PR (Associação Brasileira da Indústria Gráfica – Abigraf Regional Paraná) com o apoio das Abigraf’s de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul.

O seminário acontece em um momento em que os empresários estão ávidos por soluções para alavancarem seus negócios. Não bastasse a crise econômica, o setor gráfico vem passando por problemas em função da mudança na forma de consumo dos impressos, que têm perdido terreno para o mundo digital. Em 2016, a queda na produção ficou em cerca de 10% e para este ano a previsão é de decréscimo de 3,4%, segundo a Abigraf Nacional.

Os números são uma média no Brasil, mas refletem também a situação no Sul, que vem sofrendo com queda nas vendas nos últimos dois anos. Responsáveis por ajudar no desenvolvimento de um universo somado de 4.642 empresas, que geram mais de 40 mil empregos, as entidades representativas da Região Sul intensificam o suporte para o empresário repensar o seu negócio. “Por isso unimos as forças para organizar o seminário. Neste momento de transformação da indústria gráfica, em que o cliente não quer mais apenas um impresso, mas sim uma solução completa e tem a internet para pesquisar rapidamente as opções possíveis, o seminário vai apresentar uma série de insights e reflexões para o empresário gerir a gráfica de forma mais estratégica e com foco em resultados”, disse o presidente da Abigraf-PR, Jair Leite.

Neste sentido, segundo Leite, os temas foram focados menos em tecnicismos e mais em gestão conforme as necessidades atuais e futuras deste mercado, que no Paraná deve ter recuo na produção em 5% em 2017, repetindo 2016. Na visão de Leite, uma maneira de reverter o quadro é “aprender a lidar com a mudança no perfil de clientes e de suas necessidades”. “Exemplo disso é que vamos ter palestra sobre o crescimento no número de millennials em departamento de compras das empresas. O jeito de conversar com este cliente é diferente. Não dá para ligar lá e oferecer os serviços gráficos como se fazia anos atrás. Este público tem outra cabeça e outra forma de se comunicar. Os gráficos precisam saber lidar com esta realidade. E todos os demais assuntos têm a ver com as necessidades diárias de aprimoramento de gestão para quem imprime e vende produtos gráficos”.

Entendimento

Para o presidente da Abigraf-RS, Angelo Garbarski, o mercado gráfico ainda passa por uma fase de entendimento em relação ao seu futuro. A crise e o impacto do meio digital tem refletido em queda na produção gráfica no Rio Grande do Sul, que deve passar dos 10% em 2017. Segundo o presidente, é preciso urgente uma mudança de postura dos empresários, sob o risco de quebrarem. “O mundo mudou. As empresas deixam, por exemplo, de imprimir catálogos e agora mandam suas promoções e apresentações pela internet. Temos que reagir com criatividade e inovação. Quem não fizer isso vai sair logo do mercado. E é esta análise que o seminário vai instigar nos participantes”.

Na mesma linha de pensamento, o presidente da Abigraf-SC, Cidnei Barozzi, aponta que houve fechamento de várias empresas no estado nos últimos anos e que outras estão em dificuldades por conta da crise econômica e também da não preparação para a transformação no setor. “No segmento promocional, por exemplo, a queda nas vendas pode chegar a 15% este ano. Já para quem trabalha com embalagens, deve até haver crescimento de 5%. Mas os números são uma média. Quem olha para frente, se atualiza, foca em gestão e é engajado no associativismo, está até tendo resultados positivos. Por isso a importância de participar de eventos de reciclagem e de reflexão, como o Seminário Sul Brasileiro da Indústria Gráfica”.

Itinerante

O III Seminário Sul Brasileiro da Indústria Gráfica é uma continuidade do Seminário Catarinense da Indústria Gráfica, que surgiu em 2014 em Florianópolis e contava apenas com participantes catarinenses. Depois disso, as Abigraf’s dos três estados do Sul se reuniram para fazer um evento único, que passou a ser denominado Seminário Sul Brasileiro da Indústria Gráfica, sendo realizado de forma itinerante. A segunda edição aconteceu no ano passado, também em Santa Catarina. Este ano a sede é o Paraná. Em 2018 será a vez dos gaúchos organizarem o evento.

Além das palestras, o III Seminário Sul Brasileiro da Indústria Gráfica oferece o Salão de Negócios. Fornecedores de produtos e serviços para o setor gráfico estarão no Átrio do Campus da Indústria apresentando suas novidades e recebendo os participantes para relacionamento e troca de informações. Os estandes ficarão abertos durante todo o tempo do seminário.

 

Programação

Com o tema central  “A impressão no mundo conectado – a odisseia começa agora”, o seminário tem uma programação voltada à gestão, com informações para o empresário aplicar no dia a dia em busca de crescimento.

Confira a programação do III Seminário Sul Brasileiro da Indústria Gráfica.

21 de outubro

8h às 9h

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal
[post_explorer post_id="461073" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]