Ações de frigoríficos despencam com nova fase da Operação Carne Fraca

Fernando Garcel

DANIELLE BRANT – SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS)

As ações de frigoríficos recuam nesta segunda-feira (5), após a Polícia Federal deflagrar nova fase da Operação Carne Fraca e decretar a prisão de Pedro de Andrade Faria, ex-presidente do grupo BRF. Às 13h12, os papéis da BRF despencavam 15,27%, depois de abrirem o dia em leilão na Bolsa. O leilão é um mecanismo adotado pela B3 como proteção contra fortes oscilações de ações.

Por contágio, no mesmo horário, os papéis da JBS caíam 4,9%. A Marfrig recuava 1,58% e a Minerva, 2,78%. A Bolsa brasileira tinha alta de 0,11%, para 85.856 pontos.

No leilão de ações, a Bolsa não fecha negócios com os papéis à medida que as ofertas chegam, como ocorre normalmente durante as negociações: as ofertas de compra e de venda das ações são apenas registradas e só depois de todas aceitas é que os negócios são fechados, quando os preços de compra e venda se encaixam.

Durante esse processo, as ações saem do pregão. Mas a Bolsa não utiliza o termo “suspensão” para caracterizar o leilão, já que os papéis continuam recebendo ofertas.


A intenção do leilão é evitar que os valores continuem oscilando de maneira descontrolada. No caso da desvalorização de um papel, isso é possível porque, no leilão, são registradas apenas ofertas de compra a valores iguais ou maiores que o preço da ação naquele momento. O mecanismo também vale para casos de valorização a partir de 10%, com o propósito de evitar altas mais expressivas.

Segundo as investigações da PF, setores de análises do grupo e cinco laboratórios credenciados junto ao Ministério da Agricultura fraudavam resultados de exames em amostras do processo industrial, informando dados fictícios ao Serviço de Inspeção Federal (SIF/Mapa).

A prisão de Pedro de Faria foi determinada porque o ex-presidente teria tentado acobertar as fraudes, reveladas na petição inicial da ação trabalhista de uma ex-funcionária do grupo. Quando ciente das acusações, o executivo recomendou ao então vice-presidente, Hélio Rubens Mendes dos Santos Júnior, também alvo de prisão temporária, que tomasse “medidas drásticas” para proteger a empresa.

As fraudes tinham como finalidade burlar o Serviço de Inspeção Federal, impedindo que o Ministério da Agricultura fiscalizasse com eficácia a qualidade do processo industrial da BRF. Procurada, a empresa ainda não se manifestou sobre o assunto.

Post anteriorPróximo post
Comentários de Facebook