Agropecuária lidera geração de empregos no Brasil

Mariana Ohde


Em maio, o mercado brasileiro abriu 34.253 novos postos de trabalho, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados pelo Ministério do Trabalho. É o segundo mês consecutivo, e a terceira vez no ano, em que o país registra mais vagas abertas do que fechadas. Em abril, o país já havia criado 59.856 mil vagas de emprego formal.

No acumulado do ano, o Caged contabiliza 48.543 postos de trabalho a mais, após dois anos de saldo negativo para o período. De janeiro a maio de 2016, o Caged havia registrado fechamento de 448.011 vagas e, no mesmo período de 2015, 243.948 vagas foram suprimidas.

Os setores que contribuíram com a criação de vagas formais em maio foram agropecuária (46.049 novos postos), serviços (1.989 vagas), indústria da transformação (1.433 vagas) e administração pública (955 novos postos de trabalho).

Os setores que fecharam vagas formais foram comércio (-11.254 postos), construção civil (-4.021), indústria extrativa mineral (-510 postos de trabalho).

O café (25.258 postos criados), a laranja (11.590) e a cana-de-açúcar (5.657) foram as culturas que mais empregaram. Em relação ao café, a maioria das vagas surgiu em Minas Gerais; para a laranja o destaque é São Paulo e, para a cana-de-açúcar, os estados de São Paulo e Rio de Janeiro.

Setores no Brasil

Outros setores com resultados positivos no Brasil foram serviços (1,9 mil novos postos, crescimento de 0,01%); a indústria de transformação, (1,4 mil novas vagas, crescimento de 0,02%); e a administração pública (955 novas vagas, crescimento de 0,11%).

O comércio apresentou resultado negativo, com 11.254 postos a menos, uma queda de 0,13% em relação ao mês anterior. Também apresentaram queda a construção civil (4 mil vagas a menos, -0,18%); a indústria extrativa mineral (510 vagas a menos, -0,26%); e serviços industriais de utilidade pública (387 vagas a menos, -0,09%).

Números regionais

A região que mais gerou empregos em maio foi o Sudeste (38,6 mil novos postos), com destaque para Minas Gerais (22,9 mil postos) e São Paulo (17,2 mil novas vagas). A segunda região com maior crescimento foi o Centro-Oeste, com 6,8 mil novos postos, seguida pelo Nordeste (372 novas vagas). Houve retração no Norte (mais de mil postos a menos) e Sul (10,5 mil vagas a menos).

Paraná

O Paraná registrou 25.182 novos empregos com carteira assinada nos primeiro cinco meses de 2017. Em maio, pelo quinto mês consecutivo, o saldo foi positivo, em 2.379 vagas.

No estado, a geração de empregos foi puxada pela indústria da transformação (11.772 novas vagas), seguida pelos serviços (10.902), e construção civil (2.847). A agropecuária registrou um saldo de 1.849 vagas. A administração pública vem em seguida (414) e serviços de utilidade pública (51).

Entre as atividades, os destaques foram abate de suínos, aves e outros animais (1.004), construção de edifícios (547) e construção de rodovias e ferrovias (314).

As contribuições negativas vieram do setor extrativo mineral (menos 45 vagas) e do comércio (com 2.608 vagas).

Previous ArticleNext Article
Repórter no Paraná Portal
[post_explorer post_id="481325" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]