Arábia Saudita prepara delegação para visitar o Brasil

Em mesa redonda com o tema Investimento no Brasil – Agronegócio e Infraestrutura, na Arábia Saudita, o ministro Blairo M..

Mariana Ohde - 18 de maio de 2017, 08:29

Em mesa redonda com o tema Investimento no Brasil – Agronegócio e Infraestrutura, na Arábia Saudita, o ministro Blairo Maggi (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) fez um relato sobre oportunidades de negócios e sobre a importância da agropecuária no país.

Acompanhado de equipe do Mapa e de empresários, Maggi ouviu ao fim do encontro, nesta quarta-feira (17), do vice-presidente da Câmara de Comércio em Riad, Abdullah Mansour Al Shathry, que a Câmara vai preparar uma delegação para visitar o Brasil.

Al Shathry, considerou positivas as informações apresentados pelo ministro e disse que “se continuar, dessa forma, o Brasil será uma das cinco economias do mundo, em breve”. Blairo Maggi informou que o capital estrangeiro é respeitado no país, “podendo entrar e sair livremente” e que somente o lucro é tributado.

“O objetivo dessa viagem é ampliar os nossos negócios e agradecer pela oportunidade que nos deram nos últimos e pela confiança em nosso país”, disse Maggi. “Nós vivemos um momento de grandes transformações políticas e sociais também. O Brasil está se propondo a fazer reformas de base bastante profundas para maior solidez à economia”, afirmou.

O ministro destacou a participação de destaque no mercado mundial de alimentos e a capacidade dos brasileiros de lidar com diferentes costumes. “Isso fica demonstrado nos números da balança comercial, como o superávit agrícola”, observou.

Maggi informou sobre a legislação ambiental, a importância da preservação de 60% do território e de novas formas de produção integrada de lavoura e pecuária. E ainda sobre a sanidade da produção. “Seguimos todas as regras mundiais de segurança e de qualidade”.

Depois, Blairo e equipe do ministério tiveram encontro com o ministro do Meio Ambiente, Água e Agricultura, Abdulrahman al Fadly, que revelou interesse em aumentar parceria com empresas brasileiras. E reuniu-se ainda com o CEO da Saudi Food and Drug Authority (SFDA) Hisham bin Saad Al Jadhley.

Em missão ao Oriente Médio, Maggi esteve no Kuwait e visitará ainda Emirados Árabes e Catar. O ministro viaja acompanhado do presidente da Embrapa, Maurício Lopes, e do secretário de Relações Internacionais do Mapa, Odilson Silva.

Seminário

Blairo Maggi encontrou-se com o principal executivo da Saudi Agricultural and Livestock Investment Company, Abdullah Aldubaikhi, nesta terça-feira (16) para falar de oportunidades de negócios no Brasil e, conforme afirmou, “para agradecer ao governo a posição favorável adotada após a Operação Carne Fraca no Brasil”. O país é grande importador de franco e produtos de aviários brasileiros, além de açúcar, soja e carne bovina.

Blairo Maggi falou sobre as reformas em andamento no país, “que o tornarão ainda mais atrativo a investimentos”, sobre os avanços na economia nos últimos meses, como consequência de medidas estabilizadoras do Governo Michel Temer e do interesse de empresários do agronegócio em firmar parceria com investidores estrangeiros. “Estamos fazendo mudanças muito importantes para o futuro. Está surgindo uma nova lei de concessões e de participações, deixando muito claro como as empresas podem entrar em negócios no país”, afirmou.

O ministro explicou que a agricultura no Brasil é sustentável, sendo parte altamente tecnificada e outra parte familiar. Destacou os 61% do território nacional, que são mantidos preservados na forma original. “Ocupamos para atividades agrícolas 8% do território e 19,7% com a pecuária”. Disse ainda que cada agricultor precisa manter de 20% a 80% de sua área privada intacta, dependendo da região onde se encontra. O percentual mais elevado se refere à região amazônica. “Tudo isso cria um ambiente harmônico com o meio ambiente”, observou.

Maggi está acompanhado do presidente da Embrapa, Maurício Lopes, e do secretário de Relações Internacionais do Agronegócio do Mapa, Odilson Silva.

Ele cumprirá ainda agenda, no Oriente Médio, no Catar e Emirados Árabes Unidos. No Kuwait, o ministro teve a promessa de que será reaberto o mercado de carne, que estava fechado desde 2015.