Autoescolas protestam contra obrigatoriedade de simulador

A Associação dos Centros de Formação de Condutores do Estado do Paraná realiza manifestação, na tarde desta quinta-feira..

Jordana Martinez - 22 de junho de 2016, 17:29

A Associação dos Centros de Formação de Condutores do Estado do Paraná realiza manifestação, na tarde desta quinta-feira (23), no Centro Cívico, no centro de Curitiba, com objetivo de pedir ao Governo Estadual a prorrogação do prazo da obrigação dos simuladores de direção até o final do corrente ano, e também de mostrar à população que com a exigência do simulador, o aluno da auto-escola vai pagar muito mais e aprender muito menos.

A lei vigente desde o dia 01 de janeiro, afirma que todos os candidatos à primeira habilitação devem obrigatoriamente realizar aulas em um Simulador de Direção Veicular, e que os Centros de Formação devem instalar tal equipamento. Segundo a presidente do da Associação dos Centros de Formação de Condutores do Estado do Paraná, Olga Catarina Zanoni, no Paraná apenas uma empresa é homologada para a venda dos simuladores e no Brasil são apenas cinco. “Com essa carência de empresas, além dos custos serem exorbitantes, não existe condições de entrega aos centros de formação”, esclarece.

O Paraná possui 800 auto-escolas sendo que apenas 51 já possuem o simulador.

Em relação ao custo do equipamento, se torna de difícil acesso aos Centros de Formação. “Cada aparelho está em torno de 50 mil reais para sua aquisição e o software obrigatório é cobrado por aula no valor de R$ 11. Já se o equipamento for adquirido por comodato, o valor da aula passa a ser 16,00”, explica Olga.

Segundo ela, a prática no automóvel real, além de ser mais em conta – administrativamente falando – trás o aluno para a realidade das ruas, e não de um “jogo de vídeo game”. “Fora o fato que, ao comprarmos um carro, podemos revendê-lo, afinal de contas é um bem adquirido. Já o simulador só possui validade dentro do mundo escolar”, finaliza. A presidente da Associação esclarece que medidas jurídicas já estão sendo tomadas em âmbito nacional.