Curitiba tem a menor elevação da cesta básica entre as capitais em 2020, diz Dieese

Redação

alta do varejo no paraná

Curitiba registrou a menor alta do preço da cesta básica em 2020 entre todas as capitais do Brasil, aponta um estudo do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) divulgado nesta segunda-feira (11).

Conforme a Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, o preço do conjunto de alimentos básicos necessários para as refeições de uma pessoa adulta aumentou em todas as capitais em 2020. Os itens da cesta são determinados por decreto-lei.

As maiores altas foram registradas em Salvador, de 32,89%, e Aracaju, 28,75%. Em contrapartida, Curitiba registrou a menor elevação, na ordem de 17,76%.

De novembro para dezembro de 2020, o custo da cesta foi maior em nove cidades e menor em oito, com destaque para as elevações de João Pessoa (4,47%), Brasília (3,35%) e Belém (2,96%).

As maiores diminuições foram registradas em Campo Grande (2,14%) e Salvador (1,85%).

Em São Paulo, a cesta custou R$ 631,46, com alta de 0,36% na comparação com novembro. No ano de 2020, o preço do conjunto de alimentos subiu 24,67%.

CESTA BÁSICA E PODER DE COMPRA

Com base na cesta mais cara que, em dezembro, foi a de São Paulo, o Dieese estima que o salário mínimo necessário deveria ser equivalente a R$ 5.304,90, o que corresponde a 5,08 vezes o mínimo vigente, de R$ 1.045,00. De acordo com o órgão, o cálculo é feito levando-se em consideração uma família de quatro pessoas, com dois adultos e duas crianças.

O tempo médio necessário para adquirir os produtos da cesta para o conjunto das capitais, considerando um trabalhador que recebe salário mínimo e trabalha 220 horas por mês, foi, em dezembro, de 115 horas e 8 minutos, maior do que em novembro, quando ficou em 114 horas e 38 minutos.

Quando comparado o custo da cesta básica ao salário mínimo líquido, ou seja, após o desconto referente à Previdência Social – alterado para 7,5% a partir de março de 2020, com a Reforma da Previdência -, verificou-se que o trabalhador remunerado pelo piso nacional comprometeu, em dezembro, na média, 56,57% do salário mínimo líquido para comprar os alimentos básicos para uma pessoa adulta. Em novembro, o percentual foi de 56,33%.

*Com informações da Agência Brasil

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="738502" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]