81% das consultas por dinheiro esquecido não têm saldo a receber do Banco Central

Das quase 60 milhões de consultas por dinheiro "esquecido" em bancos realizadas em pouco mais de um dia, 81,2% não têm saldo a receber, segundo o Banco Central.

Folhapress - 15 de fevereiro de 2022, 21:03

Pixabay
Pixabay

Das quase 60 milhões de consultas por dinheiro "esquecido" em bancos realizadas em pouco mais de um dia desde a volta do SVR (Sistema Valores a Receber), 81,2% não têm saldo a receber, de acordo com dados divulgados pelo Banco Central nesta terça-feira (15).

Até as 12h, foram registradas 58,8 milhões de consultas referentes a contas de pessoas físicas. Desse total, 47,8 milhões de CPFs não possuem valores a receber.

De 1,1 milhão de contas de pessoas jurídicas consultadas, 935 mil de CNPJs também não possuem saldo a ser resgatado.

A autoridade monetária estima que há cerca de R$ 8 bilhões de recursos "esquecidos" e, em uma primeira fase de saques, prevê a devolução de R$ 3,9 bilhões a 27,9 milhões de CPFs e CNPJs.

O BC criou um calendário de liberação das transferências bancárias, que varia de acordo com o ano de nascimento do cidadão ou da criação da empresa. Para fazer a consulta, basta informar o CPF e a data de nascimento ou CNPJ e a data de abertura da empresa.

Para data de nascimento ou de criação de empresa anterior a 1968, as transferências poderão ser solicitadas entre os dias 7 e 11 de março. Para data posterior a 1983, a liberação ocorrerá entre 21 e 25 de março. Há ainda um período de repescagem para quem perder a data definida.

Quando receber o agendamento, é necessário conferir se foi para o período de 4h às 14h ou de 14h às 24h. Se esquecer ou perder a data e o período agendados, basta fazer a consulta novamente para confirmar a informação. No caso de quem não voltar ao sistema no período definido, o calendário prevê uma data para repescagem.

Após o pedido de transferência, o dinheiro deverá ser depositado via Pix, TED ou DOC em até 12 dias úteis.

A segunda consulta em que o cidadão saberá quanto terá para receber e pedirá a transferência bancária exigirá uma conta no portal gov.br com nível de segurança ouro ou prata, considerados mais seguros. Ou seja, quem descobriu que tem dinheiro para receber deve atualizar seu cadastro gov.br para poder consultar quanto receberá e pedir a transferência.

O BC irá divulgar em breve os procedimentos para consulta de valores a receber por terceiros legalmente autorizados (procurador, tutor, curador, herdeiro, inventariante ou responsável por menor não emancipado) nos casos em que o proprietário dos recursos não puder obter o login gov.br nível prata ou ouro.

LEIA MAIS: CCJ da Assembleia aprova veto ao passaporte da vacina no Paraná