Convênio Brasil e Luxemburgo financia projetos de pesquisas e inovação

Pedro Ribeiro

Felipe Diniz, embaixada de Luxemburgo

A cooperação científico, tecnológica e empresarial entre Brasil e Luxemburgo vêm alcançando grandes dimensões na área de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação. Dia 29 de janeiro, à partir das 14h 30min., haverá uma conferência (webnar) “Lux Talks” com os principais atores das empresas governamentais e privadas dos dois países que discutirão e mostrarão todos os passos a seguir para estimular, inclusive com financiamentos, empresas brasileiras – startups, pequenas e médias empresas – a participarem dessa parceria.

Felipe Diniz, adido econômico e comercial do Ministério da Economia de Luxemburgo, explica que o convênio – IraSME – oportunizará as empresas brasileiras e luxemburguesas a fazerem parcerias para pesquisas científicas em várias áreas, entre elas Saúde e Tecnologia da Informação. Além de transferências de tecnologias, as empresas participantes terão oportunidade de se candidatarem a financiamento de 30% do montante e seus projetos, disse.

Para a cônsul honorária de Luxemburgo, Andrea Vianna, a conferência abre oportunidades para empresas paranaenses participarem, já que o Estado do Paraná é reconhecido como propagador de inovações tecnológicas. Estas empresas poderão entrar no programa de financiamento e desenvolver com tranqüilidade e segurança seus projetos.

As empresas interessadas em participar da conferência devem fazer suas inscrições através do eventoembaixadalux@gmail.com.

Recursos à pesquisas

Existem 6,31 pesquisadores para 1.000 empregos no Grão-Ducado do Luxemburgo, um valor que se situa na média europeia. O setor de pesquisa e desenvolvimento emprega mais de 6.000 pessoas, tendo observado um aumento de quase 60% desde os últimos 15 anos. O Luxemburgo dedicou 694,6 milhões de euros à pesquisa em 2017, ou seja 1,26% do seu PIB. O objetivo do Governo é de aumentar a despesa pública em P&D e elevá-la para entre 2,3 a 2,6 % do PIB até 2020. Atualmente, pouco mais de metade da despesa em pesquisa provém do setor.

Luxemburgo

Luxemburgo ou oficialmente Grão-Ducado de Luxemburgo é um dos menores países do mundo, porém é considerado o segundo mais rico entre todas as nações (depois apenas do Catar) em termos de Produto Interno Bruto (PIB) per capita (US$ 109.190 ou cerca de R$ 423.000/ano/pessoa), segundo estudo do Fundo Monetário Internacional (FMI) de 2017.

Está localizado na Europa Ocidental entre a Bélgica, França e Alemanha, ocupando território de 1.586 km², e com população de pouco mais de 500 mil habitantes. Este país comprova que dimensão territorial não significa necessariamente condição para desenvolvimento e crescimento econômico.

O país conta com força de trabalho bastante diversificada, sendo aproximadamente metade de seus habitantes estrangeiros e mais de 40% dos trabalhadores residem em países vizinhos, que deslocam-se diariamente para trabalhar no Grão-Ducado.

O centro financeiro do Luxemburgo conta com mais de 136 bancos e cerca de 100 companhias de seguros, cujos produtos e serviços cobrem todos os setores. O país é o principal centro bancário privado na área do euro e o segundo maior centro de investimento do mundo.

A fim de promover ainda mais desenvolvimento do setor financeiro, o governo luxemburguês, em colaboração com a Federação dos Profissionais do Setor Financeiro, criou a agência “Luxembourg for Finance”.

A criação de empresas inovadoras e o incentivo a empresários para serem inovadores e criativos é crucial para o país. Nos últimos anos, várias grandes empresas que operam na Internet transferiram sua sede para Luxemburgo, devido à sua boa infraestrutura. Amazon, eBay, PayPal e Skype, entre outros, se instalaram lá. Neste país estão as sedes do Grupo RTL e do SES-ASTRA, o operador do sistema de satélites ASTRA.

A edição de 2018 do Índice de Economia e Sociedade Digital da Comissão Europeia (DESI) classifica globalmente Luxemburgo como 5º lugar na UE. O país tem desempenho particularmente bom na categoria conectividade (2º na UE) e em capital humano (5º na UE).

A experiência nas TICs (Tecnologias da Informação e Comunicação) é fundamental para o desenvolvimento sustentável do país. Como um hub de “big data”, Luxemburgo oferece uma excelente localização para o desenvolvimento e “big data”, e internacionalização de empresas de TIC, bem como para a inovação.

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal
[post_explorer post_id="740067" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]