DRU e reajuste dos servidores fortalecem Temer e dólar pode cair

O governo do presidente interino Michel Temer comemora duas conquistas importantes nesta quinta-feira (2): a prorrogação..

Mariana Ohde - 02 de junho de 2016, 09:18

O governo do presidente interino Michel Temer comemora duas conquistas importantes nesta quinta-feira (2): a prorrogação da Desvinculação das Receitas da União (DRU) até 2023 e o aumento dos servidores públicos, entre eles os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), que estabelece o novo teto. Apesar de o aumento representar mais despesas para o país, a medida pode contribuir para a governabilidade de Temer. Saiba como estas notícias e o cenário internacional influenciam o dólar hoje no boletim de abertura de mercado, com o superintendente regional de câmbio da SLW, João Paulo de Gracia Corrêa:

Ontem tivemos mais um pregão de volatilidade no mercado de câmbio doméstico. O dólar iniciou o dia em queda, na contramão do exterior, onde a cautela imperava com preocupações sobre a China e Europa, além do recuo do preço do barril de petróleo. Aqui, a divulgação do PIB do primeiro trimestre, com queda de 0,3%, melhor do que o esperado pelos agentes financeiros, motivou a abertura em baixa da divisa norte-americana. Entretanto, a valorização do real pela manhã durou pouco e logo a cotação do dólar se equiparou com o movimento externo da moeda ante as divisas emergentes. Na máxima bateu os R$ 3,63. À tarde, a recuperação do preço do petróleo e o Livro Bege - sinalizando que o crescimento econômico, o mercado de trabalho e o aumento dos salários nos Estados Unidos estão modestos - propiciaram uma reversão da trajetória de alta da divisa dos EUA, que passou a cair e fechou a sessão cotada em R$ 3,5917, recuo de 0,54%.

Os investidores internacionais iniciam o pregão de hoje em compasso de espera diante de uma agenda pesada e importante, tanto nos EUA como na Europa. No Velho Continente, o BCE divulga sua política monetária e. em seguida. acontece a entrevista coletiva do presidente Mario Draghi, sem expectativa de mudanças. Nos Estados Unidos saem números de demissões, pedidos de auxílio desemprego e vagas criadas no setor privado, a ADP, uma prévia do PAYROLL de amanhã. As principais bolsas europeias operam em leve alta e os futuros americanos em baixa.

Também no radar dos agentes financeiros, o fim da reunião da OPEP, que pode determinar um teto para a produção de petróleo. O preço da commoditie volatiliza entre os terrenos negativo e positivo nesta manhã.

Aqui, a Câmara aprovou a PEC que prorroga a Desvinculação de Receitas da União (DRU) até 2023, ponto a favor para o governo Temer, que demonstra força na base aliada. Mas os parlamentares também aprovaram o reajuste de servidores públicos, que podem custar pelo menos R$ 56 bilhões aos cofres públicos até 2019, na contramão do aperto fiscal, porém, uma medida importante para a governabilidade de Michel Temer. Além da política, os agentes domésticos vão monitorar a produção industrial brasileira do mês de abril. O dólar deve abrir em queda com fortalecimento do governo, mas pode reverter trajetória caso os números da economia americana venham fortes.

Confira os dados do mercado em www.slw.com.br