Elon Musk alega quebra de acordo e desiste de compra do Twitter

O bilionário questiona a plataforma e diz que a empresa não sabe informar o número de contas falsas. Twitter diz que vai recorrer para fechar o acordo

Folhapress - 08 de julho de 2022, 19:33

Reprodução/Depositphotos
Reprodução/Depositphotos

O bilionário Elon Musk anunciou a desistência da compra do Twitter. A notificação foi entregue por um advogado do CEO ao escritório da rede social ainda nesta sexta-feira (08).

A transação, que estava às voltas desde o começo do ano, foi cancelada após a plataforma não prestar esclarecimentos sobre um possível número falso de usuários, movimento crucial para a tomada de decisão do empresário.

"Por quase dois meses, o sr. Musk solicitou dados e informações necessárias para 'fazer uma avaliação' independente da prevalência de contas falsas ou de spam na plataforma", diz o documento assinado pela equipe jurídica do empresário. "O Twitter falhou ou se recusou a fornecer as informações".

No documento, o advogado representante, Mark Ringler, também aponta que o Twitter não cumpriu o acordo por conter "representações materialmente imprecisas", se referindo às declarações preliminares de Musk sobre as contas de spam. À época, o Twitter havia alegado não era possível calcular as contas falsas usando apenas informações públicas e que os números da empresa, de 5%, foram obtidos pelos especialistas da empresa.

"Enquanto esta análise permanece, tudo indica que diversas das declarações do Twitter envolvendo os seus mDAUs (métrica para usuários diários monetizáveis) são falsos ou materialmente enganosos", apontou Ringler.

TWITTER RESPONDE ELON MUSK

Em um tuíte, o atual presidente da rede social, Bret Taylor, disse que a companhia fará de tudo para que o empresário cumpra sua palavra e termine a operação de aquisição.

"O Conselho do Twitter está comprometido em fechar a transação no preço e nos termos acordados com o sr. Musk, e planeja entrar com uma ação legal para fazer cumprir o acordo. Estamos confiantes que prevaleceremos no tribunal de Delaware", escreveu Taylor.