Empresários paranaenses estão otimistas para o 2º semestre

Redação

Ministério Público recomenda que ACP suspenda pedido para reabertura do comércio no Paraná

Os empresários paranaenses estão otimistas para o segundo semestre. É o que aponta a Pesquisa de Opinião do Empresário do Comércio, Serviços e Turismo, elaborada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio-PR).

Conforme o levantamento, 59,3% dos empresários do estado possuem expectativa favorável para este segundo semestre. O estudo, que mede a previsão de faturamento das empresas, não apontava nível de expectativa favorável tão expressivo para um segundo semestre desde 2011, quando o índice foi de 71%.

Nas edições anteriores, referentes ao primeiro semestre de 2019, o percentual de expectativa favorável foi de 73,2%, e para o segundo semestre de 2018 havia sido de 51,8%.

Ainda que o segundo semestre conte com mais datas comemorativas que motivam o consumo, como o Dia dos Pais, Dia das Crianças, Black Friday e Natal, além do pagamento de 13º salário, a confiança empresarial em 2019 foi mais alta no início do ano, pois refletia um momento de expectativa por mudanças no campo político, em função das eleições.

A pesquisa atual traduz algumas frustrações do empresariado, que ainda não tem vislumbrado efetiva melhora do contexto macroeconômico do país.

Mesmo com a maioria dos empresários se sentindo mais segura, 19,4% dos entrevistados pela Fecomércio-PR estão com expectativa desfavorável para o segundo semestre, o que representa uma piora de 14,5 pontos percentuais em relação ao semestre anterior, em que o nível de expectativas desfavoráveis atingia apenas 4,9% dos empresários.

Outros 17% dos gestores de empreendimentos do comércio de bens, serviços e turismo mostram incerteza em relação ao futuro e ainda não possuem uma opinião definida para os próximos meses.  Já os empresários que têm expectativa indiferente, ou seja, que acreditam que o próximo semestre não será nem melhor nem pior, correspondem a 4,3%.

Comércio X Serviços X Turismo

Dentre os três setores representados pela Fecomércio PR, os empresários que atuam no turismo são os mais otimistas, com 76,4%. Este foi o único segmento a apresentar crescimento com relação ao 1º semestre, quando o percentual de confiança foi de 74,1%.

O comércio varejista conta com 54,3% dos empresários otimistas, sendo que na pesquisa anterior eram 76,4%. Já o setor de serviços possui 59% dos empresários confiantes, ante 67,1% no 1º semestre.

Quadro funcional

A pesquisa aponta que 68,3% dos empresários pretendem manter o quadro funcional, sendo que o resultado do semestre anterior foi de 63,1%. Os gestores que intencionam abrir novos postos de trabalho são 16,8%, o que representa queda de quase 10 pontos percentuais em relação aos 26,6% do 1º semestre. Os que pretendem reduzir o número de funcionários são 13,3%, contra 5,9% na pesquisa anterior. Os que ainda não tomaram uma decisão sobre o quadro funcional somam 1,5% contra 4,4% da edição anterior.

A maioria dos gestores (64,9%) está satisfeita com sua equipe de colaboradores, sendo que 9,3% a considera excelente, 15,6% muito satisfatória e 40,0% satisfatória. Outros 32,5% acreditam que precisam desenvolver melhor seu time. Já 1,7% não souberam/não quiseram responder e 0,9% relataram não ter funcionários.

Investimentos

Entre os empresários pesquisados, 33,8% pretendem investir nos negócios neste semestre. Na pesquisa relativa ao 1º semestre deste ano, o indicador de propensão aos investimentos havia sido de 39% e para o 2º semestre de 2018, 26,9%. Os que não pretendem investir somam 54,4%, e 11,8% ainda não decidiram. Os principais pontos de investimentos são reforma e modernização, capacitação dos colaboradores e publicidade.

Dificuldades previstas para o 2º semestre/2019

As principais barreiras para o desenvolvimento da atividade empresarial mencionadas pelos empresários paranaenses foram a instabilidade econômica, que aumentou 5,6 pontos percentuais em relação ao 1º semestre. Outras dificuldades mencionadas foram a carga tributária elevada, clientes descapitalizados e custo das mercadorias.

*Com informações da Fecomércio*

Previous ArticleNext Article