Federação de petroleiros orienta pela suspensão da greve após TST aumentar multa para R$ 2 milhões

 A Federação Única dos Petroleiros (FUP) recomendou que todos os sindicatos da categoria suspendam a greve i..

Fernando Garcel - 31 de maio de 2018, 12:22

Petroleiros parados durante Greve de advertência de 72 horas na Refinaria Repar da Petrobras em Araucária, região metropolitana de Curitiba &#124 Foto: Rodolfo Buhrer / La Imagem
Petroleiros parados durante Greve de advertência de 72 horas na Refinaria Repar da Petrobras em Araucária, região metropolitana de Curitiba &#124 Foto: Rodolfo Buhrer / La Imagem

 

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) recomendou que todos os sindicatos da categoria suspendam a greve iniciada na quarta-feira (30). A determinação ocorre após o Tribunal Superior do Trabalho aumentar a multa aos sindicatos de R$ 500 mil para R$ 2 milhões.

Petroleiros cruzam os braços por 72 horas a partir desta quarta-feira

No despacho de ontem, a ministra Maria de Assis Calsing destaca que os sindicatos descumpriram a decisão de terça-feira (29) que atendeu o pedido da Advocacia Geral da União e da Petrobrás reconheceu ilegalidades na greve.

"Referido montante incide tanto para o caso de continuidade do movimento grevista quanto para a hipótese de ação que obste o livre trânsito de bens e pessoas. Determino, ainda, sejam extraídas cópias dos autos para remessa à Polícia Federal, para fins de apuração de crime de desobediência", destaca a ministra.

Para a FUP, a decisão da ministra é para criminalizar e inviabilizar os movimentos sociais e sindicais e orientou que a greve seja suspensa até sexta-feira (1º). "Um recuo momentâneo e necessário para a construção da greve por tempo indeterminado, que foi aprovada nacionalmente pela categoria", ressalta a entidade. Os sindicatos realizam assembleias ao longo do dia para avaliar o indicativo de suspensão do movimento", destaca federação. Agora, os sindicatos devem realizar assembleias ao longo do dia para avaliar o indicativo de suspensão do movimento.

O movimento também divulgou uma nota que faz críticas a decisão do TST e diz que a multa é "abusiva e extorsiva e jamais seria aplicada contra os empresários que submetem o país a locautes para se beneficiarem política e economicamente" em referência a greve dos caminhoneiros.

"Os petroleiros saem da greve de cabeça erguida, pois cumpriram um capítulo importante dessa luta, ao desmascarar os interesses privados e internacionais que pautam a gestão da Petrobrás. O representante da Shell que o mercado colocou no Conselho de Administração da empresa já caiu. O próximo será Pedro Parente", diz a nota da FUP.