Horário de verão começa oficialmente neste domingo

Fernando Garcel


Depois de ser adiado duas vezes, o horário de verão terá início oficialmente neste domingo (4). Esse é o 44º ano em que os relógios precisarão ser adiantados em uma hora na virada de sábado para domingo. Com os dias mais longos, a medida visa reduzir a demanda por energia elétrica no sistema nacional entre 18h e 21h. Segundo a Copel, o alívio de carga é de 4,5% no consumo simultâneo de energia nesse horário.

O horário de verão é adotado no Paraná, em Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no Distrito Federal. A mudança nesta edição acontece até dia 16 de fevereiro de 2019.

A distribuição da demanda por energia no período alivia o funcionamento de usinas geradoras, subestações e linhas de transmissão. Com isso, embora aconteça uma diminuição do consumo de energia – em torno de 0,5%, equivalente apenas à redução na utilização de lâmpadas no início da noite – o objetivo principal do horário de verão é proporcionar alívio de carga no sistema elétrico. Ao prevenir sobrecargas no sistema, essa diluição do pico de consumo no fim da tarde também evita o acionamento de usinas térmicas, que são mais caras – além de mais poluentes.

Celulares entram no horário de verão antecipadamente e confundem usuários
MEC pede alteração no início do horário de verão por conta do Enem

Qual a finalidade do horário de verão para a Copel?

Não apenas para a Copel, mas em todo o mundo, a finalidade do horário de verão é a mesma: evitar sobrecargas no final da tarde, quando existe muita demanda por energia: pelas pessoas que chegam em casa e usam geladeira e chuveiro, pela indústria e comércio que ainda estão funcionando, e a iluminação pública começa a ser acionada. É o chamado horário de pico, quando ocorre uma coincidência de consumo de energia por diferentes segmentos de consumidores, o que pode sobrecarregar o sistema elétrico.

Então, como o horário de verão ajuda a evitar essas sobrecargas?

Como no verão os dias são mais longos nas regiões tropicais, o horário de verão permite adiantar a rotina das pessoas: elas acordam mais cedo e chegam mais cedo em casa, usando equipamentos elétricos antes do acionamento da iluminação pública. O mesmo ocorre com o comércio e a indústria, que interrompem suas atividades antes do acionamento da iluminação pública.

Quais os benefícios desta mudança?

Ao evitar consumo de muitas classes no fim da tarde, entre 18 e 21 horas, o pico do consumo se reduz em cerca de 4,5%, conforme a média dos últimos anos. Não se pode chamar isso de economia, já que o consumo das diferentes classes continua existindo, mas em horários diferentes: em casa, mais cedo, na iluminação pública mais tarde.

Ao prevenir sobrecargas no sistema, essa diluição do pico de consumo no fim da tarde também evita o acionamento de usinas térmicas, que são mais caras – além de mais poluentes. Este custo é pago pelos consumidores, seja por meio das bandeiras tarifárias, definidas a cada mês, seja por meio do reajuste tarifário anual das distribuidoras.

Há de fato uma redução de gastos de energia neste período?

Uma economia de energia existe, mas ela é pequena, de cerca de 0,5%, e decorre simplesmente do menor uso de lâmpadas, o que já é típico dos meses de verão, em que os dias são mais longos.

No longo prazo, existem ganhos indiretos: além de evitar o custo financeiro com o acionamento de usinas térmicas no fim da tarde, o horário de verão também permite que as hidrelétricas funcionem em regime normal, utilizando o fluxo dos rios, preservando a água que está em seus reservatórios. Esta reserva de água é uma economia de energia que se faz nos meses de chuva, para ser utilizada nos meses secos. É sempre preferível utilizar a energia das hidrelétricas do que das térmicas, por conta do seu custo de operação.

Quais os maiores e principais impactos desta ação no estado do Paraná?

O maior impacto, no Paraná como em todo o Brasil, é preservar o sistema elétrico no fim da tarde. Mas é importante mencionar que, com o uso cada vez mais comum de ar-condicionado, passou a existir um horário crítico de consumo também no início da tarde, quando o calor é mais forte. Sobre este fenômeno o Horário de Verão não tem efeito. Então, uma saída para reduzir o consumo é aproveitar melhor a iluminação natural, evitando o acionamento de lâmpadas, e principalmente, utilizar o aparelho de ar-condicionado de maneira eficiente: limpar regularmente os filtros e manter as portas fechadas quando ele estiver ligado. São medidas simples, que além de preservar o sistema, também reduzem a conta de luz.

Com informações da Copel

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="567077" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]