Imóveis residenciais têm maior alta dos últimos oito anos, em Curitiba

Os imóveis residenciais de Curitiba tiveram alta acima da inflação em dezembro de 2021. É isso que aponta o levantamento..

BandNews FM Curitiba - 05 de janeiro de 2022, 11:43

 José Fernando Ogura/ANPr
José Fernando Ogura/ANPr

Os imóveis residenciais de Curitiba tiveram alta acima da inflação em dezembro de 2021. É isso que aponta o levantamento do Índice FipeZap, que acompanha o comportamento do preço médio de vendas de imóveis em 50 cidades brasileiras.

Em nível nacional, a alta foi de 0,48%, mas em Curitiba, chegou a 1,25%. No acumulado do ano, o índice atinge o patamar de 5,29%, maior avanço registrado desde o ano de 2014. A informação é da BandNews Curitiba.

Para o presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Paraná (CRECI-PR), Luiz Celso Castegnaro, a valorização está ligada à pandemia. Ele comenta que os imóveis se apresentam como opções de investimento seguro.

"Com o advento da pandemia, muita gente está procurando um mercado seguro pra fazer essas aplicações e o mercado imobiliário, sem sombra de dúvidas, é o mercado mais seguro hoje. Houve assim um olhar diferente pro mercado imobiliário", disse Castegnaro.

O preço médio do metro quadrado na capital paranaense chega aos R$ 7 mil 518,00. O bairro mais caro é o Batel, onde o metro quadrado ultrapassa os dez mil reais. Em seguida, estão os bairros Juvevê, Ahú e Cabral, todos a partir de nove mil reais.

Segundo o presidente, paralelamente à busca, as grandes construtoras se estabeleceram em Curitiba, nos últimos anos.

"A alta é geral em todas as capitais. Só que nós temos um mercado diferenciado porque as grandes construtoras começaram nas capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e depois pela falta de terrenos dessas capitais, como elas são grandes empresa, elas vibraram mais pro sul, Curitiba, Porto Alegre, Florianópolis e isso fez de dez anos pra cá nosso metro quadrado subisse", explicou.

Curitiba e outras 16 cidades tiveram resultado acima da inflação no período. As principais altas foram no litoral de Santa Catarina, nos municípios de Itajaí, Balneário Camboriú e Itapema.