Inflação da feira de até 166% assusta consumidores e esvazia carrinhos

O aumento dos combustíveis também gerou reflexos, já que eleva os custos do transporte de mercadorias diversas, incluindo a comida.

Leonardo Vieceli - Folhapress - 22 de abril de 2022, 16:00

Geraldo Bubniak/AGB
Geraldo Bubniak/AGB

"É muito aumento. É de cair para trás quando a gente sai para fazer compras. Hoje está um preço, amanhã sobe."

É dessa forma que a aposentada Pilar Ramos, 74, descreve a disparada da inflação de frutas, verduras e legumes no começo deste ano.

A preocupação de Pilar, moradora do Rio de Janeiro, encontra respaldo nos dados oficiais do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Com os efeitos do clima adverso e a pressão gerada pelos combustíveis sobre os fretes, os preços de alimentos tradicionais das feiras livres aceleraram no país.

Até março, a cenoura acumulou inflação de 166,17% em 12 meses, segundo o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), calculado pelo IBGE. O tomate, por sua vez, avançou 94,55%.

Pimentão (80,44%), melão (68,95%), melancia (66,42%) e repolho (64,79%) também registraram fortes altas no período. Mamão (54,95%), abobrinha (44,99%) e alface (38,92%) tampouco escaparam da carestia.

"Às vezes a gente deixa de comprar. Ou, quando algum produto aumenta muito, tenta levar outro mais barato", diz Pilar em meio a bancas que vendem frutas, legumes e verduras em uma feira livre da zona sul do Rio.

Nascida na Espanha, a aposentada vive na capital fluminense desde os 19 anos. "Sou carioca", brinca.

A exemplo de Pilar, a doméstica Leda Ferreira, 72, também anda preocupada com a inflação de alimentos.

"Os preços aumentaram absurdamente", lamenta.
Com a pressão no bolso, Leda reduziu o número de idas a feiras no Rio. O tamanho das compras encolheu.

O economista Gustavo Prado, 34, adota estratégia parecida. Em razão da carestia, ele passou a privilegiar a busca por frutas e hortaliças que considera fundamentais para o dia a dia.

"É algo impressionante. Por uns três anos, fazia feira com R$ 150 ou algo nessa faixa. Agora, fecho a conta com uns R$ 280, e cortando muita coisa que não é essencial."

O susto com a inflação de alimentos não fica restrito aos consumidores e atinge ainda os feirantes.

Na manhã de terça-feira (19), Giovani Almeida da Silva, 53, tinha de explicar a uma cliente de sua banca no Rio por que o alho havia ficado mais caro.

"Quando os preços dos produtos estão altos, a gente diminui as compras para revender na feira. A gente vende menos. O cliente quer comprar e muitas vezes não consegue", comenta.

O feirante Flávio Giovanni Borges de Arruda, 39, lembra que, além dos alimentos, outros insumos também ficaram mais caros na pandemia. É o caso do combustível e de embalagens e sacolas plásticas.

"Tenho trabalhado com o mínimo possível de margem. Não tem como repassar todo o aumento para os preços. Se a gente fizer isso, a venda para", diz.

Arruda relata que trabalha como feirante no Rio há mais de 20 anos, mas até já cogitou abandonar a atividade em razão da pressão de custos nos últimos meses.

"A lógica agora é sobreviver. Não está dando para guardar", afirma.

"Pagava R$ 15 em uma caixa de mamão [com 15 unidades] em dezembro. No começo deste ano, já chegou a custar R$ 50", acrescenta.

PRESSÃO DO CLIMA E DOS CUSTOS

De acordo com o IBGE, a disparada de parte dos alimentos no início de 2022 reflete o impacto do clima.

Houve chuvas fortes em áreas do Sudeste e do Nordeste, enquanto o Sul amargou seca na largada do ano.

Os fenômenos extremos danificaram plantações, reduzindo a oferta e pressionando os preços finais.

Além disso, conforme o instituto, o aumento dos combustíveis também gerou reflexos, já que eleva os custos do transporte de mercadorias diversas, incluindo a comida.

"Tivemos um choque de oferta com os problemas climáticos em parte dos principais polos de produção. Além disso, houve aumento de custos", avalia o analista Fernando Gomes, do Itaú BBA.

"O combustível é um fator importante dentro e fora da porteira [das propriedades rurais]. Dentro, o produtor usa muito diesel com tratores. Fora, há o custo do transporte. Os centros produtivos ficam distantes das capitais", aponta.

De acordo com Gomes, os preços de frutas, verduras e legumes podem até ceder a curto prazo, mas a tendência é que continuem em nível elevado.

Além de a pressão de custos seguir no radar, é necessário tempo para a recomposição da oferta nas plantações castigadas pelo clima, diz o analista.

Esse período varia de produto para produto. Algumas frutas podem levar um ano para a recuperação da oferta, enquanto hortaliças têm ciclos de produção mais rápidos, sinaliza Gomes.

A inflação da comida não é uma exclusividade do Brasil durante a pandemia, apesar de fatores internos terem intensificado a disparada.

Como mostrou reportagem da Folha de S.Paulo, o principal índice global de preços de alimentos das Nações Unidas atingiu em março o maior nível em 61 anos, e série do FMI (Fundo Monetário Internacional) a partir de 1900 aponta recorde em cem anos.