Marcas citadas na Operação Carne Fraca são recolhidas em Curitiba

 Cristina Seciuk/ CBNCuritibaEquipes da Vigilância Sanitária de Curitiba começaram a coletar as amostras de produtos emb..

Jordana Martinez - 20 de março de 2017, 17:51

 Cristina Seciuk/ CBNCuritiba

Equipes da Vigilância Sanitária de Curitiba começaram a coletar as amostras de produtos embutidos de marcas citadas na Operação Carne Fraca, da Polícia Federal (PF), que denunciou um esquema criminoso envolvendo empresários do agronegócio e fiscais agropecuários que facilitavam a emissão de certificados sanitários para alimentos inadequados para o consumo.

Nesta segunda-feira (20) quatro tipos de alimentos foram recolhidos em supermercados da cidade; salsichas, linguiça defumada, salame e carne embalada a vácuo. A lista completa tem dez itens. O trabalho segue até o fim da semana.

De acordo com Rosana Zappe, diretora do Departamento de Saúde Ambiental do município, o foco nesse momento não são os estabelecimentos, a qualidade dos produtos após as suspeitas levantadas pela investigação da PF.

" A gente vai intensificar a inspeção em relação às carnes, os derivados de carne, para verificar o que está acontecendo realmente em relação ao conteúdo do produto, o que ele tem", explicou.

Os embutidos serão encaminhados para o Laboratório Central do Estado do Paraná (Lacen), ligado à Secretaria de Estado da Saúde. Conforme o chefe da Vigilância estadual, Paulo Santana, as análises devem averiguar se os produtos são ou não próprios para consumo e se sofreram algum tipo de adulteração ou maquiagem.

"Vão ser feitas análises microbiológicas para verificar a presença de bactérias, de contaminação em função das denúncias de utilização de produtos deteriorados. Também serão feitas análises de aspecto, de cor, sabor, odor, textura, para verificar também essa questão da deterioração", afirmou em entrevista à imprensa.

O representante da Secretaria enfatizou que não é possível falar em comprovação das fraudes apontadas pelas investigações da Carne Fraca.

"Essas coletas são aleatórias, elas não estão relacionadas diretamente com o que foi apurado nas denúncias. O que nós estamos fazendo é um processo de monitoramento, o que é rotina da vigilância sanitária, em função aí dessa situação da denúncia da operação Carne Fraca", explicou.

Os exames devem ser concluídos em até dez dias. Caso sejam constatadas irregularidades, os lotes analisados poder ser recolhidos e os resultados serão encaminhados para o Ministério da Agricultura.