Moeda russa cai para mínimos recordes em relação ao dólar e ao euro

A moeda russa estava sendo negociada a 90 por dólar, abaixo dos 83,5 de quarta-feira, último dia em que uma taxa de câmbio oficial foi registrada

Folhapress - 28 de fevereiro de 2022, 16:20

Pixabay
Pixabay

O rublo russo caiu nesta segunda-feira (28) em relação ao dólar e ao euro durante a abertura das cotações na bolsa de Moscou, depois que nações ocidentais anunciaram um conjunto de duras sanções durante o fim de semana para punir a Rússia pela invasão da Ucrânia, incluindo restrições às reservas monetárias do país

A moeda russa estava sendo negociada a 90 por dólar, abaixo dos 83,5 de quarta-feira, último dia em que uma taxa de câmbio oficial foi registrada, antes da invasão da Ucrânia. Em relação ao euro, o rublo estava sendo negociado a 101,19 por euro, de um nível anterior de 93,5.

A bolsa de valores de Moscou indicou antes da abertura que havia estabelecido limites de 90 rublos por um dólar e 101,19 rublos por um euro, além dos quais as bolsas parariam. Esses topos foram alcançados nos primeiros segundos da sessão.
Mais cedo, nas negociações asiáticas, o rublo havia tido uma baixa recorde de 30% em relação ao fechamento da última sexta-feira (25).

O presidente russo, Vladimir Putin, ordenou que seu comando militar colocasse as forças com armas nucleares em alerta máximo neste domingo (27), em resposta às represálias ocidentais por sua guerra contra a Ucrânia –o maior ataque a um Estado europeu desde a Segunda Guerra Mundial.

O banco central da Rússia (CBR) anunciou uma série de medidas no domingo para apoiar os mercados domésticos, enquanto se esforça para gerenciar as consequências das sanções que bloquearão alguns bancos do país do sistema de pagamentos internacionais Swift.

O banco disse que retomará a compra de ouro no mercado doméstico, lançará um leilão de recompra sem limites e aliviará as restrições às posições abertas em moeda estrangeira dos bancos. Em comunicado, o banco central disse que vai aumentar a sua taxa básica de juros em 10,5 pontos percentuais, elevando-a para 20%. Informou ainda que tomará novas decisões sobre a taxa com base na avaliação de riscos associados às condições externas e internas e na resposta dos mercados financeiros.

A moeda encontrou algum apoio na semana passada, com as primeiras intervenções monetárias do banco central russo desde 2014, quando Moscou anexou a Crimeia da Ucrânia. Analistas do Rabobank disseram que as sanções às reservas monetárias removeram o pouco apoio que o rublo tinha.

"Nem o ouro é líquido se ninguém puder usar o câmbio em troca dele. Haverá um colapso completo do rublo hoje", escreveram. Ray Attrill, chefe de estratégia de câmbio do National Australia Bank, disse em nota no domingo que "um colapso do rublo parece inevitável na manhã de segunda-feira" e que havia um risco maior de inadimplência da dívida russa como resultado dos acontecimentos do fim de semana.