Networking deve ser alimentado de forma planejada e estratégica

Redação


O headhunther e consultor Bernt Entschev traçou um paralelo entre as relações profissionais atuais e do passado e aprofundou no tema do networking em palestra realizada para executivas e empreendedoras a convite da BPW Curitiba – Business Professional Women, na última quinta-feira, em Curitiba. Ele ressaltou a importância do papel da mulher no ambiente de trabalho e lembrou que houve mudanças profundas nas relações entre homens e mulheres nos últimos anos. Porém, embora a mulher tenha alcançado uma série de conquistas, lembrou que ainda há poucas mulheres em cargos de presidência ou direção de grandes empresas.

Entschev, que tem 30 anos de experiência na área de RH, mostrou que os cartões de visita e os classificados deram lugar às mídias sociais e relacionamentos virtuais, o que acabou por facilitar as possibilidades de contatos profissionais. É claro que cursos, eventos corporativos, associações etc continuam valendo para os contatos pessoais e devem ser mantidos sempre. Segundo Entschev, ambientes que frequentamos são importantes para fazer os contatos de trabalho e negócios que vão desde clubes relacionados a hobbies diversos e à participação em eventos de todos os tipos.

O networking, de acordo com ele, pode gerar novos negócios ao ponto de até achar um sócio para a empresa, proporcionar indicação para novos empregos e oportunidades e convites para ingresso em grupos. Há aspectos importantes a serem observados. “Muitas vezes os contatos geram frutos no médio ou longo prazo”, comentou, lembrando de negócios gerados após conversas ocorridas há mais de cinco anos.

Banco de dados

Para Entschev quanto maior é o networking, maior é o trabalho para mantê-lo vivo e uma forma de superar essa questão é criar um banco de dados dos contatos, classificando-os por diferentes interesses, perfil do profissional, seu segmento de atuação e outros filtros. Uma forma interessante de alimentar esse banco de dados é enviar notícias de interesses da pessoa, convites para eventos, novidades e até mesmo divulgar suas próprias conquistas, ou seja, fazer seu marketing pessoal, entre outros.

Há muitos canais disponíveis para se fazer esses contatos atualmente, entre eles, o LinkedIn e e-mail para pessoas com interesse em comum. Ligações por telefone apenas para os mais próximos, pois geralmente as pessoas não gostam de ser interrompidas.

Estar aberto a relacionamentos é a chave para ampliar o networking. Entschev sugere às pessoas a quebrar o bloqueio paterno de proibir conversar com desconhecidos. “Cada desconhecido passará a ser conhecido e poderá ingressar na sua rede de contato”, alerta. O objetivo de tudo isso é não se tornar uma pessoa chata, mas desenvolver a desinibição, o traquejo social e a habilidade de permear assuntos diversos, e ter a chance de conduzir a conversa para temas do seu interesse.

Previous ArticleNext Article