O índice de desemprego no Brasil cresceu 38% em 2015

As notícias e as filas para entrega de currículos já antecipavam a pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e..

Julie Gelenski - 25 de novembro de 2016, 11:43

As notícias e as filas para entrega de currículos já antecipavam a pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 2015 teve alta de 38% no índice de desemprego do país, o maior da história, atingindo cerca de dez milhões de brasileiros.

Foi o décimo nono mês, seguido, em que demissões superaram contratações. A construção civil e serviços lideram perdas. No acumulado do ano, já foram fechados 751,8 mil postos em todo o país, com carteira assinada.

Só em outubro desse ano, 74 mil e setecentas vagas formais foram fechadas no Brasil. Apesar do resultado negativo, o número de vagas fechadas ficou abaixo do registrado em outubro de 2015. Naquele mês, as demissões superaram as contratações em 169 mil e cem, o pior resultado para o mês na série histórica do Ministério do Trabalho, que tem início em 1992.

Apenas o comércio apresentou saldo positivo, com criação de 12 mil e quinhentos postos. A indústria da transformação, que havia apresentado saldo positivo em agosto e setembro, fechou 5 mil e seiscentas vagas.

A contínua deterioração do mercado de trabalho ocorre num momento em que agentes já começam a questionar o fôlego para a recuperação da atividade em 2017.  Para o ano que vem, a projeção de crescimento foi reduzida de 1,13% para 1%, na sexta revisão seguida para baixo. Com a piora crescente no mercado de trabalho, o Índice de Confiança do Consumidor, medido pela FGV (Fundação Getulio Vargas), caiu 3,3 pontos, para 79,1 pontos em novembro.

A renda das famílias brasileiras teve redução

Houve uma redução considerável também na renda das famílias, outro fator de grande impacto na economia do país. O rendimento total familiar teve queda de 7,5%. Isso quer dizer, que por exemplo, uma família que tinha a renda total de R$ 3.443,00 passou a ter R$ 3.186,00.