Paraná Banco é destaque em diversidade de gênero

Pedro Ribeiro

paraná banco se destaca

O jornal Valor Econômico, um dos mais destacados veículos de comunicação do setor econômico no país, foi a campo pesquisar sobre o comportamento das empresas, pequenas, médias e grandes, em relação à absorção no mercado de mulheres e ou pessoas dentro do chamado diversidade de gênero.

O foco da reportagem, que ouviu dezenas de representantes da área de recursos humanos de várias empresas, está na expressão certeira para apontar quando uma empresa promete algo e divulga e o que efetivamente pratica. Ou seja, “nem todo mundo que fala que está promovendo diversidade de gênero no ambiente interno da empresa está, de fato, se movimentando como deveria para isso”.

Segundo o Valor Econômico, quem está efetivamente comprometido com a causa, independente da divulgação que faz disso, já começa a colher bons frutos do trabalho bem feito. Com o intuito de mostrar como estamos avançando e o resultado visto, o Valor Investe conversou com algumas empresas comprometidas.

Entre as dezenas de empresas consultadas, está o Paraná Banco, banco privado com sede em Curitiba e foco em crédito consignado para servidores públicos. De acordo com o Valor Investe, a instituição paranaense iniciou as mudanças para promoção da diversidade em 2019, buscando inovação e desenvolvimento de novos produtos para os clientes.

“A ideia de aumentar a presença feminina no time está frutificando. Atualmente, elas representam 53% do total de colaboradores e ocupam 59% das posições de liderança”, reporta o veículo de comunicação.

Paraná Banco aposta nas mulheres na tecnologia

Para a empresa, que passou nos últimos anos pela transformação digital, contratar mais profissionais de tecnologia se tornou uma das prioridades.

O banco abriu em março deste ano o “RePrograma PB – Mulheres na Tecnologia” para ofertar onze vagas de estágio exclusivamente para mulheres. A ação resultou em quase 300 candidatas inscritas e mais do que o dobro de pessoas contratadas em relação ao previsto.

Para ajudar a mantê-las na instituição, o banco reformulou seu código de ética para prever repúdio e a denúncia anônima a qualquer ação ou omissão de preconceito, discriminação, abuso de poder, assédio moral ou sexual. Foi criado ainda um canal telefônico interno e confidencial para apoiar vítimas de violência doméstica e ajudar a formalizar denúncia. O banco é signatário e se comprometeu a cumprir os Princípios do Empoderamento Feminino (WEPs) da ONU Mulheres.

Claudia Vidal Kuster, responsável pela área de Pessoas & Cultura do Paraná Banco, lembra que as campanhas internas deixaram de lado a entrega de lembranças em datas como Dia da Mulher e Dia das Mães para focar em ações de reflexão. E, atualmente, a empresa aposta na criação de grupos de apoio, em fase de estruturação, para as mulheres, a exemplo de grupos já existentes, como PCDs, LGBTQI+ e Aliados, entre outros.

 

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro, jornalista editor-chefe do Paraná Portal
[post_explorer post_id="781232" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]